Adubação fosfatada a lanço em culturas anuais sob sistema de semeadura direta

Gustavo Franco de Castro, Silvino Guimarães Moreira, Saulo Saturnino Sousa, Cláudio Manoel Teixeira Vitor

Resumo


Atualmente a agricultura moderna tem buscado incorporar novas tecnologias que visem a redução de custos, com otimização de mão-de-obra e maior rendimento operacional. Nesse aspecto, a adubação antecipada a lanço tem sido praticada por um número crescente de produtores e apresentada por alguns pesquisadores como uma alternativa viável para melhorar o rendimento operacional e trazer economia ao produtor. Embora tem aumentado a aplicação de fósforo (P) a lanço em diversas culturas anuais, preocupa-se tal situação devido à baixa mobilidade desse nutriente no solo e suas possíveis perdas por precipitação com os íons Fe+3, Al+3 e Mn+2,, formando fosfatos insolúveis. No Sistema de Semeadura Direta (SSD) há um comportamento diferente dos atributos químicos do solo, resultando em maiores concentrações de matéria orgânica (MO) e nutrientes nas camadas superiores. Há a preocupação também com o contato direto do P com o calcário aplicado em superfície, podendo formar fosfato de cálcio, que é uma forma do nutriente indisponível às plantas. Dessa forma, esta revisão bibliográfica tem por objetivo apresentar e discutir os aspectos atuais mais relevantes sobre a eficiência da adubação fosfatada a lanço em sistemas de produção sob SSD. Algumas pesquisas realizadas principalmente com as culturas do milho e da soja tem mostrado que a aplicação a lanço em superfície tem apresentado maior eficiência normalmente em solos com níveis de P considerados adequados. Porém, os resultados encontrados muitas vezes indicam baixas produtividades das culturas, necessitando assim de novos estudos para comprovar a eficiência ou não desta prática para altos níveis de produtividade.


Palavras-chave


Milho. Soja. Fósforo. Adsorção. Precipitação.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v8n42016824

Apontamentos

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.