Uso do solo e conservação de matas ciliares da Bacia Hidrográfica do Rio Eleutério no município de Monte Sião, Minas Gerais

Magno Pereira Silva, Lilian Vilela Andrade Pinto

Resumo


O presente estudo visou classificar o relevo, determinar o número de nascentes e seu estádio de conservação, quantificar as APPs das nascentes e dos cursos d’água e mensurar a vegetação nativa da Bacia Hidrográfica do Rio Eleutério no município de Monte Sião (MG). Para a realização do levantamento foram utilizados os softwares ArcGIS 10.0, Autocad 2015, cartas topográficas referentes aos municípios de Águas de Lindoia (SP) e Ouro Fino (MG), imagem do Basemap obtida do Arcmap extensão do ArcGIS e o Modelo Digital de Elevação TOPODATA do INPE. O banco de dados foi composto por mapas da rede de drenagem, vegetação nativa, uso e ocupação do solo, classes de relevo (Plano, Suave-Ondulado, Ondulado, Forte-Ondulado, Montanhoso e Escarpado), áreas de preservação permanentes e classificação das nascentes quanto ao estádio de conservação (conservadas, perturbadas e degradadas). A área em estudo apresenta aproximadamente 70 % de sua área com relevo suave-ondulado a ondulado, o que indica que práticas conservacionistas (incorporação de restos de culturas, rotação de cultura, construção de terraços e barraginhas) devem ser introduzidas. Das 276 nascentes da área em estudo, 26 (9,42 %) encontram-se conservadas, 115 (41,67%) perturbadas e 135 (48,91%) degradadas ao ser considerada a presença da vegetação nativa na APP das nascentes. As APPs das nascentes e dos cursos d’água, conforme o estabelecido pela Lei 12.651/2012, somaram 216,77 ha e 1.814,80 ha, respectivamente, e encontram-se muito degradadas. Observou-se o não cumprimento da legislação ambiental nas APPs o que mostra a necessidade de recuperação de 151,35 ha (69,82 %) das áreas das nascentes e de 1.368,09 ha (75,39 %) das áreas dos cursos d’água, o que totalizam 1.519,44 ha, uma vez que a ausência da mata ciliar e usos incorretos dos solos refletem diretamente na conservação da bacia hidrográfica.


Palavras-chave


Sistemas de Informações Geográficas. Nascente. Áreas de Proteção Ambiental.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v9n420171020

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.