Use of medicinal plants and socioeconomic evaluation of urban and rural populations of Sobradinho (DF-Brazil)

Judite Araújo de Sousa, Yara Sousa Silva, Francisco Roque, Silvia Dias da Costa Fernandes, Marina Neves Delgado

Resumo


It is known that the use of medicinal plants can improve health, and their study in Brazil is promising due to their floristic megadiversity, mainly in Cerrado, where several traditional populations live, and many endemic species can be found. From data obtained through interviews, this research recorded the medicinal plants used by 40 residents of urban and rural areas of Sobradinho (DF), situated in Cerrado, and evaluated their socioeconomic profiles. Rural women had a greater knowledge about medicinal plants. Most of the urban population had a full college education, while most of the rural population had not completed their basic education. Although the urban population also used literature, the main source of knowledge came from family members. The level of ethnobotanical knowledge was vast in Sobradinho and similar in urban and rural areas, where the interviewees cited 86 names of medicinal plants that corresponded to 126 species, of which 56.35% were native to Brazil and 43.65% exotic. All of the species were categorized into 48 botanical families, with Asteraceae, Lamiaceae and Fabaceae being the most cited, respectively. Although they knew many native species of medicinal plants, the population used more exotic ones, such as mint, lemongrass and boldo to treat conditions such as stress, flu and indigestion, respectively.


Palavras-chave


Cerrado. Ethnobotany. Exotic medicinal plants.

Texto completo:

English pdf (English)

Referências


ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P.; ALENCAR, N. L. Métodos e técnicas para a coleta de dados. In: ALBUQUERQUE, U.P.; LUCENA, R.F.P.; CUNHA, L.V.F.C. (Ed.). Métodos e Técnicas na Pesquisa Etnobotânica. Recife: Editora NUPEEA, 2010. p. 40-64.

ALEXIADES, M. N.; SHELDON, J. W. Ethnobotanical Research: A Field Manual. New York: The New York Botanical Garden, 1996.

AMOROZO, M. C. M. A abordagem etnobotânica na pesquisa de plantas medicinais. In: DISTASI, L.C. Plantas Medicinais: Arte e Ciência. Editora UNESP, 1996. p. 47-68.

ANUÁRIO DO DF, 2014. Sobradinho. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2017.

BAVARESCO, O. S. A.; PEREIRA, I. C. P.; MELO, C. D.; LOBATO, F.; FALCAI, A.; BOMFIM, M. R. Q. Utilização popular da Pterodon spp. no tratamento de doenças reumáticas. Revista de Investigação Biomédica, v. 8, p.81-91, 2016.

BORGES-FILHO, H. C.; FELFILI, J. M. Avaliação dos níveis de extrativismo da casca de barbatimão [Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville] no Distrito Federal, Brasil. Revista Árvore, v. 27, n.5, p.735-745, 2003.

BORSATO, A.V.; SILVA, A.; SANTOS, A. G.; JORGE, M. H. A. Plantas Medicinais e Agroecologia: Uma Forma de Cultivar o Saber Popular na Região de Corumbá, MS. Corumbá, MS: EMBRAPA, 2009. Disponível em: < https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/CPAP-2010/57298/1/DOC103.pdf>. Acesso em: 13 ago. 2018.

BUDÓ, M. L. D.; RESTA, D. G.; DENARDIN, J. M.; RESSEL, L. B.; BORGES, Z. N. Práticas de cuidado em relação à dor: a cultura e as alternativas populares. Escola Anna Nery Revista Enfermagem, v. 12, n.1, p.90-96, 2008.

CAVALCANTI, R. B. Perspectivas e desafios para conservação do Cerrado no século 21. In. SCARIOT, A; SOUSA-SILVA, J. C.; FELFILI, J. M. (Org.). Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005. p. 433-439.

CAVALCANTI, R. B; JOLY, C. A. Biodiversity and Conservation Priorities in the Cerrado Region. In: OLIVEIRA, P. S.; MARQUIS, R. J. (Org.). The Cerrados of Brazil: Ecology and Natural History of a Neotropical Savanna. New York: Columbia University Press, 2002. p. 351-368.

COSTA, J. C.; MARINHO, M. G. V. Etnobotânica de plantas medicinais em duas comunidades do município de Picuí, Paraíba, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 18, n. 1, p. 125-134, 2016.

DELGADO, M. N.; ABREU, V. E. S.; FERNANDES, S. D. C.; AMADO, G. F.; SILVA, E. A. Identificação de espécies ornamentais a partir de levantamento florístico de cerrado sensu stricto e vereda No Instituto Federal de Brasília - Campus Planaltina. In: André Luiz Oliveira de Francisco. (Org.). Botânica Aplicada 2. Ponta Grossa: Atena Editora, 2019, p. 199-214.

FIGUEREDO, C. A.; GURGEL, I. G. D.; GURGEL-JÚNIOR, G. D. A. Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos: construção, perspectivas e desafios. Physis Revista de Saúde Coletiva, v. 24, n. 2, p. 381-400, 2014.

FIGUEREDO, C. A. A implementação da fitoterapia no SUS de João Pessoa – PB. 2013. 208p. Tese (Doutorado) - Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Rio de Janeiro, 2013.

FLORA DO BRASIL 2020 EM CONSTRUÇÃO. 2017. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 20 Ago. 2018.

FRANCO, E. A. P.; BARROS, R. F. M. Uso e diversidade de plantas medicinais no Quilombo Olho D’água dos Pires, Esperantina, Piauí. Revista Brasileira Plantas Medicinais, v.8, n.3, p.78-88, 2006.

GOMES, G. C.; MEDEIROS, C. A. B.; GOMES, J. C. C.; BARBIERI, R. L. A crise paradigmática nas ciências de identificação de plantas e a valorização da etnobotânica. Revista Agrogeoambiental, Pouso Alegre, v. 9, n. 1, p. 115-125. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v9n12017896

GOMES, J. P; CLEMENTE, A. D.; OLIVEIRA, R. C.; PINTO, M. A. B.; DELGADO, M. N. Plantas medicinais usadas pelas comunidades tradicionais e por moradores das áreas rurais da cidade de Luziânia - GO. Em formação. Cadernos de Iniciação Científica e Tecnologia do IFG _ Destaques 2013/14 (Livro impresso). 1ed. Goiânia: Editora IFG, 2015, p. 65-77.

GUERRA, P. G.; NODARI, R. O. Biodiversidade: aspectos biológicos, geográficos, legais e éticos. In. SIMÕES, C. M. O.; SCHENKEL, E. P.; GOSMANN, G.; MELLO, J. C. P.; MENTZ, L. A.; PETROVICK, P. R. Farmacognosia: da planta ao medicamento, 5ª Edição. Porto Alegre: Editora da UFSC, 2003. p. 13-28.

HAMMER, Ø.; HARPER, D. A. T.; RYAN, P. D. PAST: Paleontological Statistics Software Package for Education and Data Analysis. Palaeo Electronica, v. 4, p. 1-9, 2001.

INSTITUTO BRASÍLIA AMBIENTAL. 2012. Parques. Disponível em: . Acesso em: 16 fev. 2017.

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas, 2ª Edição, Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2008.

MARQUES, M. I. M. O Conceito de espaço rural em questão. Revista Terra Livre, n.19, p.95-112, 2002.

MESSIAS, M. C. T. B.; MENEGATTO, M. F.; PRADO, A. C. C.; SANTOS, B. R.; GUIMARÃES, M. F. M. Uso popular de plantas medicinais e perfil socioeconômico dos usuários: um estudo em área urbana em Ouro Preto, MG, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.17, n.1, p.76-104, 2015.

MEYERS, N.; MITTERMEIER, R. A.; MITTERMEIER, C. G.; FONSECA, G. A. B.; KENT, J. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, v.403, p.853-858, 2000.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2012. SUS tem fitoterápicos para doenças simples. Disponível em: . Acesso em: 03 mai. 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2016. Medicina Alternativa. Disponível em: . Acesso em: 03 mai. 2018.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. 2010. Biodiversidade Brasileira. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2018.

NETO, G.G.; MORAIS, R.G. Recursos medicinais de espécies do cerrado de Mato Grosso: um estudo bibliográfico. Acta Botanica Brasilica, v.17, n.4, p.561-584, 2003.

OLIVEIRA, D. M. S.; LUCENA, E. M. P. O uso de plantas medicinais por moradores de Quixadá- Ceará. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.17, n.3, p.407-412, 2015.

OLIVEIRA, G. L.; OLIVEIRA, A. F. M.; ANDRADE, L. H. C. Plantas medicinais utilizadas na comunidade urbana de Muribeca, Nordeste do Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 24, n. 2, p. 571-577, 2010.

PAGOTTO, T. C. S.; SOUZA, P. R. Bioma cerrado e área estudada. In: PAGOTTO, T. C. S.; SOUZA, P. R. Biodiversidade do complexo Aporé-Sucuriú: subsídios à conservação e ao manejo do cerrado: área prioritária 316-Jauru. UFMS, 2006. p.18-30.

PESQUISA DISTRITAL POR AMOSTRA DE DOMICÍLIOS DO DISTRITO FEDERAL. 2015. Governo de Brasília. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2018.

PRADEICZUK, A.; EICHEMBERG, M. T.; KISSMAN, C. Urban ethnobotany: a case study in neighborhoods of different ages in Chapecó, Santa Catarina State. Acta Botanica Brasilica, v. 31, n. 2, p. 276-285, 2017.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. Fitofisionomias do bioma cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. (Eds.). Cerrado: Ambiente e Flora. Planaltina: Embrapa-CPAC, 1998. p. 89-166.

SANTOS, M. A.; BARBIERI, A. F.; CARVALHO, J. A. M.; MACHADO, C. J. O Cerrado brasileiro: notas para estudo, UFMG- Cedeplar, 2010. p.1-15.

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DO DISTRITO FEDERAL. Grilagem de terras é o maior problema ambiental do DF. Disponível em: . Acesso em: 15 mai. 2017.

SILVA-JÚNIOR, M.C.; BATES, J.M. Biogeographic patterns and conservation in South American Cerrado: a tropical savanna hotspot. Bioscience, v.52, p.225-233, 2002.

SILVA, N.C.A.; PLATÃO, G.R.; GOMES, P.A.; SOUZA JUNIOR, I.T. de; SILVA, L.F.; HONÓRIO, I.C.G.; CRUZ, A.L.M.; MARTINS, E.R. Horto medicinal escolar: ferramenta agroecológica para inclusão social. Revista Brasileira de Agroecologia, v.2, n.2, p.436-439, 2007.

SIMÕES, C. M. O.; MENTZ, L. A.; SCHENKEL, E. P.; IRGANG, B. R.; STEHMANN, J. R. Plantas da Medicina Popular do Rio Grande do Sul. 5ª Edição, Porto Alegre: Editora Universidade da UFRGS, 1998. 174p.

SOUZA, L. F.; DIAS, R. F.; GUILHERME, F. A. G.; COELHO, C. P. Plantas medicinais referenciadas por raizeiros no município de Jataí, estado de Goiás. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.18, n.2, p.451-461, 2016.

VEIGA-JÚNIOR, V. F.; PINTO, A. C.; MACIEL, M. A. M. Plantas medicinais: cura segura? Química Nova, v.28, p.519-528, 2005.

WINKLERPRINS, A. M. G. A. House-lot gardens in Santarém, Pará, Brazil: linking rural with urban. Urban Ecosystems, v. 6, n.1, p. 43-65, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v12n120201416

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Judite Araújo de Sousa, Yara Sousa da Silva, Silvia Dias da Costa Fernandes, Francisco Roque, Marina Neves Delgado

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.