Single-cross performance in off-season in function of urea sources on side-dressing fertilization

GABRIEL WIEST, CASSIANO SPAZIANI PEREIRA, IVAN VILELA ANDRADE FIORINI, MATEUS EMANUEL SCHOFFEN, HELCIO DUARTE PEREIRA, ADRIANO ALVES DA SILVA

Resumo


Nitrogen is the most required element by the maize crop and suffers the greatest losses due to its inappropriate management, mainly when the urea is used as a source of nitrogen. The objective of this work was to evaluate the efficiency of urea sources, with or without urease inhibitor, in sidedress fertilization of commercial single-cross in off-season in Sinop/MT. The experimental design was completely randomized blocks, in factorial scheme 3 x 5, with 3 replications. The first factorwas three side-dress fertilization: witness (without fertilizer); fertilization with 250 kg ha-1 of urea and fertilization with 250 kg ha-1 of urea in the presence of urease inhibitor (UREMAX®) NBPT. The second factor was five single-crosses: 2B433, DKB255, DKB335, NS45, and SYN522. Vegetative development and yield characteristics were evaluated. The Nitrogen sources did not affect the plant height, stem diameter, and foliar area index, only the chlorophyll content in the leaves. For the yield
components, there is an effect of fertilization on the number of grain rows and grain yield. The singlecrosses differ among them in vegetative development and yield characteristics. The Nitrogen in sidedress, in the conditions of this study, using the urea with urease inhibitor, increased the fertilization efficiency and raised the grain yield. The single-crosses DKB 255, 2B433, and SYN 522, with the treatment based on UREMAX®, reached the highest yield.


Palavras-chave


Zea mays L. Chlorophyll. Foliar area. Volatilization. Yield components.

Texto completo:

ENGLISH PORTUGUÊS

Referências


AMARAL FILHO, J. P. R.; FORNASIERI FILHO, D.; FARINELLI, R.; BARBOSA, J. C. Espaçamento, densidade populacional e adubação nitrogenada na cultura do milho. Revista Brasileira Ciência do Solo, Viçosa, v. 29, n.1, p. 467-473, 2005.

ARGENTA, G.; SILVA, P. R. F.; BORTOLINI, C. G.; FORSTHOFER, E. L.; STRIEDER, M. L. Relação da leitura do clorofilômetro com os teores de clorofila extraível e de nitrogênio na folha de milho. Revista Brasileira Fisiologia Vegetal, Viçosa, v. 13, n. 2, p. 158-167, 2001.

ALBUQUERQUE, P.E.P.; RESENDE, M. Cultivo do milho: manejo de irrigação. 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 de junho de 2019.

BERGAMASCHI, H.; MATZENAUER, R. O milho e o clima. Porto Alegre: Emater/RS-Ascar, p. 11, 2014.

CARMO, M. S. et al. Doses e fontes de nitrogênio no desenvolvimento e produtividade da cultura de milho doce. Bioscience Journal, v. 28, p. 223-231, 2012.

CIVARDI, E. A. et al. Uréia de liberação lenta aplicada superficialmente e ureia comum incorporada ao solo no rendimento do milho. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 41, n. 1, p. 52–59, 2011.

COELHO, A. M.; RESENDE, Á. V. Exigências nutricionais e adubação do milho safrinha. Sete Lagoas: Embrapa Milho e Sorgo, 2008.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO (CONAB). Acompanhamento da safra brasileira de grãos: Oitavo levantamento. n.8 ed. Brasília, 2019. 6 v. maio 2019.

DEKALB. DKB 255 PRO3. Disponível em: Acesso em: 15 de julho de 2019.

ERNANI, P. R. et al. A forma de aplicação da uréia e dos resíduos vegetais afeta a disponibilidade de nitrogênio. Ciência Rural, v. 35, n. 02, p. 360-365, 2005.

FERREIRA, D. F. Sisvar: A computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011. Disponível em: . Acesso em: 18 de julho 2019.

FIORINI; I. V. A.; VON PINHO, R. G.; PEREIRA, H. D.; PIRES, L. P. M.; FIORINI, F. V. A. E RESENDE, E. L. Dry matter accumulation, chlorophyll and sulfur leaf in corn fertilized with different sulfur sources. Journal Bioenergy and Food Science, v.4, n.1, p.1-11, 2017.

FORNASIERI FILHO, D. Manual da cultura do milho. Jaboticabal: Funep, 2007. 576 p.

FRAZÃO, J. J. et al. Fertilizantes nitrogenados de eficiência aumentada e ureia na cultura do milho. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 18, n. 12, p. 1262–1267, 2014.

GUELFI, D. Fertilizantes nitrogenados estabilizados, de liberação lenta ou controlada. Informações agronômicas IPNI, v. 157, n. 19, p. 1–32, 2017.

IFA - International Fertilizer Industry Association. Nutrient Management Handbook, 2016 . 20 mai. 2019.

KAPPES, C. et al. Influência do nitrogênio no desempenho produtivo do milho cultivado na segunda safra em sucessão à soja. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 39, n. 03, p. 251-259, 2009.

KAPPES, C.; SILVA, R. G. Fontes e doses de nitrogênio no cultivo do milho safrinha em sucessão à soja. Enciclopédia Biosfera, v. 13, n. 23, p. 646–659, 2016.

KERBAUY, G. B. Fisiologia vegetal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

MAGALHÃES, P. C. et al. Fisiologia do milho. Sete Lagoas: EMBRAPA-CNPMS, Circular Técnica, 22. 23 p. 2002.

MOTA, M. R. et al. Fontes estabilizadas de nitrogênio como alternativa para aumentar o rendimento de grãos e a eficiência de uso do nitrogênio pelo milho. Revista Brasileira de Ciencia do Solo, v. 39, n. 2, p. 512–522, 2015.

RESENDE, Á. V. et al. Manejo de nutrientes no cultivo de milho segunda safra na região do cerrado. Embrapa Milho e Sorgo-Artigo em periódico indexado (ALICE), 2018.

RITCHIE, S. W.; HANWAY, J. J.; BENSON, G. O. Como a planta de milho se desenvolve. Informações agronômicas, v. 103, p. 1-19, 2003.

RODRIGUES, F. J. et al. Eficiência agronômica da cultura do milho sob diferentes fontes de nitrogênio em cobertura. Uniciências, v. 22, n. 2, p. 66, 2018.

TASCA, F. A. et al. Volatilização de amônia do solo após a aplicação de ureia convencional ou com inibidor de urease. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 35, n. 2, 2011.

SCIVITTARO, B. W.; GONÇALVES, D. R. N.; VALE, M. L. C do; RICORDI, V. G. Perdas de nitrogênio por volatilização de amônia e resposta do arroz irrigado à aplicação de ureia tratada com o inibidor de urease NBPT. Ciência Rural, Santa Maria, v. 40, n. 6, p. 1283-1289, jun, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v13n120211524

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 GABRIEL WIEST, CASSIANO SPAZIANI PEREIRA, IVAN VILELA ANDRADE FIORINI, MATEUS EMANUEL SCHOFFEN, ADRIANO ALVES SILVA


Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.