Comparação dos Métodos de Amostragem Casual Simples: Bitterlich e Prodan

Kever Bruno Paradelo Gomes, Vitor Alves Machado Filho, Valdevino Pereira Silva, Aderlan Gomes da Silva

Resumo


O objetivo deste trabalho foi realizar uma comparação entre a utilização do Método de
Bitterlich e Prodan para um Inventário Florestal. O presente trabalho foi realizado em um povoamento de eucalipto com 8 anos de idade localizado no Instituto Federal de Educação, Ciência
e Tecnologia de Minas Gerais - Campus São João Evangelista-MG, com área aproximadamente
de 3,48 ha. Para o método Bitterlich foram amostrados aleatoriamente cinco pontos. No método
de Prodan amostrou-se trinta pontos medindo-se os diâmetros das seis árvores mais próximas em
cada ponto, sendo a sexta árvore, a mais distante do ponto contada como meia e medida sua distância com auxilio de uma fita métrica. A variável mensurada para utilização nos dois processos
de amostragem foram os DAP’s, qualificados de acordo com o interesse para aplicação dos métodos. Os parâmetros observados para o intervalo de confiança demonstraram nível semelhante em
torno da média do volume para os dois métodos, mesmo que a exigência ao tamanho da amostra
tenham sido diferentes entre si. Quanto ao tempo os métodos não diferiram, mas o método de Prodan foi mais exato e cobriu melhor a área, sendo então recomendado.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v3n12011306

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.