Avaliação da Sobrevivência e do Desenvolvimento de Mudas de Capim Vetiver (Vetivena Zizanioides) em Raízes Nuas e Produzidas em Saquinhos de Polietileno Plantadas em Diferentes Espaçamentos

Leandro Luiz de Andrade, Lilian Vilela de Andrade Pinto, Michender Werison Motta Pereira, Rafael Xavier Souza

Resumo


A utilização de plantas para estabilização de solos caracteriza-se como uma técnica de baixo custo quando comparado com as grandes obras de bioengenharia. Desta forma, o capim vetiver (Vetiveria zizanioides) apresenta-se como uma boa opção de planta pioneira na reabilitação e estabilização de solos pois possui uma enorme capacidade de sobreviver à secas prolongadas uma vez que suas raízes atingem uma enorme profundidade (até 3 m), lhe proporcionando retirar água do solo mesmo nas épocas de estiagem. Além disso, apresentam
grande capacidade na estabilização de solos sujeitos a processos erosivos e com déficit nutricional, aumentando o
poder de agregação do solo. Neste sentido o objetivo do presente trabalho foi avaliar a sobrevivência e desenvolvimento de mudas de capim vetiver (V. zizanioides) em raízes nuas e produzidas em saquinhos de polietileno
plantadas em diferentes espaçamentos, visando-se futuros projetos de proteção de encostas com esta gramínea.
O experimento foi realizado na fazenda escola do IFSULDEMINAS – campus Inconfidentes, MG, em uma encosta experimental, com declividade média de 30° e rampa de 6 m. Foram avaliados 2 tipos de mudas de capim vetiver (raízes nuas e produzidas em saquinhos de polietileno) e 9 diferentes espaçamentos. Os parâmetros mensurados foram a taxa de sobrevivência das mudas 60 dias após o plantio; altura e diâmetro ao nível do solo das plantas no período de 150 à 270 dias após o plantio. Concluiu-se que: i) a taxa de sobrevivência, o diâmetro ao nível do solo
e a altura das plantas de vetiver não é influenciada pelo espaçamento de plantio; ii) as plantas provenientes de mudas de vetiver produzidas em saquinhos de polietileno apresentam taxa de sobrevivência e diâmetro ao nível do solo superior àquelas plantadas diretamente no campo (raízes nuas); e iii) mudas produzidas em raízes nuas
inicialmente apresentam menores valores de altura, entretanto após certo período de tempo estas mudas atingem valores similares ou maiores que os apresentados por mudas produzidas em saquinhos de polietileno.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v3n22011332

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.