Efeito de Atividades Antrópicas Sobre A Mata Do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Minas Gerais Campus São João Evangelista (IFMG-SJE)

Eduardo Felipe Ribeiro, Paulo do Nascimento, Aderlan Gomes da Silva, Gustavo de Almeida Santos, Diêgo Gomes Júnior

Resumo


A vegetação ainda é fonte de energia para atividades de parte considerável da população. Os objetivos deste trabalho foram: constatar a extração de madeira num fragmento de Mata Atlântica do IFMG-SJE; verificar as causas dessa extração; estipular indicadores florestais que sinalizam a pressão antrópica sofrida e obter percepções básicas sobre o ambiente. Realizaram-se entrevistas orientadas nos bairros Centenários I e II e Engenho de Serra. Detectaram-se as plantas mais retiradas pelos moradores (angico, canudo-de-pito, murici e pau-jacaré), que tiveram medidas os seus diâmetros a altura o peito (DAP) em parcelas de 1000m² (50 x 20m). Os DAPs foram submetidos ao teste de Tukey. Os DAPs foram medidos com uma suta e um gabarito de 1,30 m. Nos tocos remanescentes com sinais de corte e mediram-se os DAPs e encontrou-se uma classe de DAP preferencial de extração. Em função da baixa escolaridade e do baixo poder aquisitivo dos moradores, há extração de madeira
nessa mata. Os DAPs e o uso de questionários foram eficazes no diagnóstico de interferência antrópica nessa mata. Envolver os moradores em projetos de educação ambiental e socioeconômico pode favorecer a proteção
desse fragmento de Mata.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v3n22011335

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.