Composição florística do componente arbustivo-arbóreo em dois trechos de floresta estacional semidecidual na Mata do Paraíso, Viçosa, MG

Sheila Isabel do Carmo Pinto, Sebastião Venâncio Martins, Bruno da Silva Moretti

Resumo


É grande a demanda por estudos ecológicos em florestas que possam embasar trabalhos de recuperação e conservação da biodiversidade. Entre esses estudos, primordialmente está o levantamento da flora. Nesse sentido, realizou-se o estudo das variações florísticas do componente arbustivo-arbóreo em dois trechos de Floresta Estacional Semidecidual, floresta inicial e floresta madura, situados na Reserva Florestal Mata do Paraíso, em Viçosa, Minas Gerais. As espécies arbóreo-arbustivas foram amostradas dentro de 20 parcelas de 10 x 30 m, 10 parcelas em cada trecho de floresta, sendo considerados apenas os indivíduos com diâmetro a 1,30 m do solo (DAP)  4,8 cm. Na floresta inicial foram amostradas 55 espécies pertencentes a 47 gêneros e 27 famílias. A família com maior riqueza florística foi Fabaceae, com 10 espécies (18%), seguida de Euphorbiaceae (cinco espécies; 9%), Annonaceae, Lauraceae, Meliaceae e Salicaceae (três espécies; 6%). Na floresta madura foram amostradas 78 espécies distribuídas em 62 gêneros e 31 famílias. A família com maior riqueza florística foi Fabaceae, com 13 espécies (17%), seguida de Lauraceae e Myrtaceae (seis espécies; 8%), Euphorbiaceae, Sapindaceae e Salicaceae (cinco espécies; 6%), Annonaceae e Meliaceae (quatro espécies, 5%), Rubiaceae e Moraceae (três espécies; 4%). O grupo ecológico que mais se destacou nos dois trechos de floresta foi o das secundárias iniciais, seguido pelas secundárias tardias na floresta madura e pelas pioneiras na floresta inicial. A variabilidade na composição florística e na proporção de espécies em cada grupo ecológico foi resultante das variações na intensidade da ação antrópica nestas florestas e do tempo de regeneração florestal.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v5n22013433

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.