Ácido linoleico conjugado no leite e carne de ovinos: uma breve revisão

Marcel Hastenpflug, Tatiana Pfüller Wommer

Resumo


A ovinocultura vem ganhando destaque no mercado nacional, com uma gradativa implementação do consumo per capita da carne de cordeiros. Ao contrário do que os mitos populares pregavam, esta carne apresenta muitas características benéficas ao organismo humano, a exemplo dos ácidos linoleicos conjugados (CLA). Estes consistem em uma mistura de isômeros posicionais e geométricos do ácido linoleico, produzidos durante a fermentação ruminal, e que têm como característica comum a ausência de um radical metil entre as duas duplas ligações da cadeia hidrocarbonada. Este elemento está presente principalmente no leite de ruminantes e, por conseguinte, na carne dos lactentes. Assim, esta revisão tem por objetivo estudar a produção, composição e concentração de CLA no leite de matrizes ovinas e entender sua relação com a deposição de CLA na carne dos cordeiros.
Palavras-chave: Bioquímica ruminal. Nutrição de ruminantes. Ovinocultura. Propriedades nutracêuticas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v4n32012477

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.