Análise das mudanças sócio, econômico e ambientais após a transição do manejo convencional para o orgânico na produção de hortifrutis em uma propriedade rural no município de Ouro Fino – MG

Eustachio Carneiro

Resumo


A produção integrada de horticultura e fruticultura costuma ser associada ao acesso a novos mercados, maior qualidade dos produtos, boas práticas agrícolas, redução do impacto ambiental e bem estar social. Visando compreender melhor essas possibilidades, este trabalho avaliou o impacto social, econômico e ambiental que a conversão do manejo convencional para o orgânico proporcionou a uma propriedade familiar rural em Ouro Fino-MG. Os dados para a avaliação foram colhidos em 2012 conforme as tabelas do Sistema AMBITEC-AGRO 1.2. Concluiu-se que a conversão do manejo convencional para o orgânico trouxe ganhos sociais, econômicos e ambientais; e que a degradação ambiental e os riscos de contaminação ambiental diminuíram consideravelmente. Acredita-se que a metodologia de avaliação empregada neste trabalho possa servir para mensurar os impactos sociais, econômicos e ambientais em áreas mais abrangentes, como regiões ou estados.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v6n12014548

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.