Avaliação do processo germinativo das sementes e o crescimento inicial de plântulas de girassol (Helliantus annus L.) submetidas a diferentes níveis de salinidade

Ademir Silva Menezes, Aureliano Albuquerque Ribeiro, Maria Klécia Neves Tavares, Camila Kelly Gomes Santos, Marcio Facundo Aragão, Francisco José Carvalho Moreira

Resumo


Objetivou-se avaliar a influência de diferentes níveis de salinidade no processo de germinação e crescimento inicial na cultura do girassol. O processo foi conduzido em ambiente telado, no IFCE/Campus Sobral, Ceará, em delineamento inteiramente casualizado, 5 X 4, sendo cinco níveis de sais (CEa = 0,27; 1,5; 3,0; 4,5 e 6,0 dS m-1) com quatro repetições, avaliando-se a porcentagem de emergência – %E, índice de velocidade de emergência – IVE, tempo médio de germinação – TMG, alturas das plântulas – AP, número de folhas – NF e potencial osmótico do solo, que, em seguida, foram submetidas à análise de variância. A percentagem de emergência média dos tratamentos mostrou um aumento linear, de 65% para 67,5%, com relação ao IVE. Também houve um aumento linear expressando valores entre 0,95 (CEa = 0,5 dS m-1) a 1,26 (CEa = 6,0 dS m-1). Verificou-se que o incremento dos sais presente na água de irrigação não influenciou na altura das plântulas, mas provocou reduções no número de folhas e do potencial osmótico do solo. Os níveis de sais testados não influenciaram estatisticamente na germinação do girassol.

 

 


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v7n22015620

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.