Esterco de coelho: fonte de nutrientes para complementação da adubação

Carla Regina Amorim dos Anjos Queiroz, Reginaldo Rodrigues de Andrade, Zilda Corrêa de Lacerda, Manoel Evaristo Ferreira

Resumo


Os resíduos ou adubos orgânicos aplicados ao solo são fontes de matéria orgânica o que promove melhoria em propriedades físicas e químicas do solo, aumentando a sua capacidade produtiva. O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência agronômica do esterco de coelho, combinado com e sem adubo industrial, em milheto. O experimento foi conduzido em vasos, em ambiente protegido, e o delineamento experimental foi o inteiramente casualizado com 8 tratamentos e 5 repetições. Os resultados mostraram que o uso concomitante de adubo industrial[1] e de esterco de coelho promoveu aumento do perfilhamento, da altura de plantas e produção de massa seca de milheto. Houve aumento na produção de massa seca quando adubo industrial (nas doses 40 kg ha-1 N, 400 kg ha-1 P2O5 and 50 kg ha-1 K2O) foi combinado com esterco de coelho, até a dose de 21,7 t ha-1

[1] Neste trabalho o termo “adubo industrial” refere-se aos adubos sintéticos, fontes de N, P e K na forma mineral e orgânica, produzidos industrialmente.


Palavras-chave


Crescimento de plantas, Massa seca, Milheto

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v6n32014680

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.