Utilização de formas alternativas de desbaste químico no superbrotamento de bananeira

Hellenn Thallyta Alves Mendes, Danilo Nogueira dos Anjos, Abel Rebouças São José, Gildardo Vazquez Arciga

Resumo


A banana “Maçã” apresenta alta suscetibilidade à fusariose. Assim, o presente trabalho teve por objetivo avaliar diferentes formas de desbaste químico com glifosato, em brotos de bananeira “Maçã”, visando à redução da transmissão do Fusarium oxyporum, agente causal do Mal-do-panamá. O experimento foi instalado com cinco tratamentos no delineamento experimental inteiramente casualizado, no qual cada parcela foi constituída de quatro plantas de banana “Maçã”. Os tratamentos testados correspondem a cinco formas de aplicação do glifosato herbicida nos brotos (vela) de cada planta: T1- testemunha, T2- palito de picolé, T3- palito roliço de madeira para os dentes, T4- palito roliço de madeira para churrasco, T5- seringa. A avaliação visual do efeito de toxicidade nos brotos foi realizada aos 15, 30 e 60 dias após a aplicação dos tratamentos. Foram atribuídas notas de um a nove, de acordo com a severidade do dano nos brotos. O desbaste químico por meio da injeção do herbicida pela seringa foi a mais eficiente forma de aplicação em todas as épcaocas, levando à morte cem por cento dos brotos, a partir dos 15 dias após a aplicação do produto, o que pode ser uma excelente alternativa para o desbaste, reduzindo assim a transmissão do Fusarium oxysporum.


Palavras-chave


Mal-do-panamá, Musa spp., controle alternativo, glifosato

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v7n32015729

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.