Avaliação das constantes térmicas das fases de desenvolvimento do psilídeo-de-concha Glycaspis brimblecombei em laboratório

Luiz Alexandre Nogueira de Sá, Maria Conceição Peres Yong Pessoa, Gabriele Luciana Saqui, Artur Batista Rocha

Resumo


A influência da temperatura no desenvolvimento dos insetos é fundamental para a tomada
de decisão relacionada à estratégia de controle biológico de pragas. Este trabalho teve por objetivo avaliar a necessidades de graus-dias acumulados entre a oviposição e a eclosão de adultos do
psilídeo-de-concha Glycaspis brimblecombei (Hemiptera: Psillydae) em resposta às temperaturas
máxima e mínima diárias, observadas em condições de sala de criação do Laboratório de Quarentena “Costa Lima” da Embrapa Meio Ambiente, em Jaguariúna-SP. Três gaiolas com a mesma
quantidade inicial de adultos (preservadas a razão fêmea: macho de 1,06) foram monitoradas até
o aparecimento da primeira geração e mortalidade total dos adultos introduzidos. Durante todo o
período foram registradas as temperaturas máxima e mínima (em
o
C) e a umidade relativa (em %)
diárias. Posteriormente foram realizados os cálculos dos graus-dias pelo método da senóide horizontal, considerando a temperatura base de desenvolvimento do inseto de 9,26
o
C . Os cálculos
foram realizados utilizando programa eletrônico da Universidade da Califórnia - Davis (UC-IPM).
Como resultado, obteve-se uma necessidade média de 377,49 ± 16,09 GD acumulados entre a oviposição e a eclosão de adultos do inseto, bem como de 350,40 ± 18,62 GD para atingir a morte total
de todos os adultos introduzidos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v1n2200974

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.