Métodos alternativos de maximização da emergência de sementes de Beterraba

Lucas Eduardo de Oliveira Aparecido, Adriana Ferreira de Moraes, Valdinei dos Santos Oliveira, Rodolfo Henrique Marcondes, Ivan Tomé de Souza

Resumo


As sementes de hortaliças são produtos onerosos, portanto, faz-se necessário obter o máximo de emergência delas. A adoção de técnicas visando à maximização da emergência das sementes, como o condicionamento osmótico e a aplicação de hormônios é cada vez mais comum. Assim, objetivou-se buscar métodos alternativos de maximização da emergência de mudas de beterraba. O experimento foi em casa de vegetação em Muzambinho (MG). Foram utilizadas duas cultivares de beterraba, Tall Top Early Wonder e Bonel, semeadas em bandejas de poliestireno expandido de 200 células. Trabalhou-se com delineamento em blocos, com três repetições e em esquema fatorial 4 x 2, no qual os métodos alternativos foram a utilização do hormônio Stimulate® (presença e ausência), em diversos  métodos de condicionamento osmótico (água natural corrente por 2 horas, imersão em água deionizada por 2 horas, imersão em água natural em repouso por 2 horas). Posteriormente, as sementes foram secas por 24 horas e semeadas. O hormônio foi aplicado diretamente nas sementes no momento da semeadura. As contagens de plântulas emergidas foram realizadas a cada dois dias, entre o período do 4° ao 14° dia após o plantio, sendo calculado o índice de velocidade de emergência ao final. A utilização dos métodos alternativos visando à maximização da emergência das sementes de beterraba não foram eficazes. O condicionamento osmótico juntamente com a aplicação do hormônio não proporcionaram aumento da emergência das sementes de beterraba.

Palavras-chave: Índice de Velocidade de Emergência. Hormônios. Condicionamento Osmótico.


Palavras-chave


Índice Velocidade Emergência. Germinação. Temperatura do ar.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v8n32016816

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.