A crise paradigmática nas ciências de identificação de plantas e a valorização da etnobotânica

Gustavo Crizel Gomes, Carlos Alberto Barbosa Medeiros, João Carlos Costa Gomes, Rosa Lia Barbieri

Resumo


As ciências de identificação de plantas passam por uma crise paradigmática. Essa ciência teve seu início com a taxonomia de Lineu, baseada em características morfológicas, e teve a partir de Darwin a evolução como paradigma central. Desde o século XX, a genética e a fisiologia tornaram-se importantes na classificação dos seres vivos, com o uso da genética molecular na comparação de genomas. Mais recentemente, com avanços na biologia molecular e na bioinformática, mapeamentos genéticos e diagnósticos passaram a ser cada vez mais rápidos e precisos, provocando mudanças de nome (espécie) e família de algumas plantas, algumas vezes em poucos anos. Essas mudanças não afetaram populações tradicionais, agricultores familiares e mateiros, que continuam usando alguns caracteres tidos como secundários (estruturas vegetativas) para a sistemática clássica. Tais aspectos dendrológicos não só permitiram identificar as plantas com nomes populares, mas também a reconhecer seus usos, pois serviram de remédio, comida, uso na marcenaria, em construções e energéticos, entre outros. O que se propõe é a valorização desses conhecimentos em articulação com os novos paradigmas científicos, visto que ambos são complementares e contribuem, cada qual com suas peculiaridades, um com maior relevância e o outro com maior precisão, ao entendimento da flora arbórea, suas potencialidades e contribuições para a espécie humana.

Palavras-chave: Sistemática vegetal. Conhecimento tradicional. Filogenia.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v9n12017896

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.