Extratos Cymbopogon citratus e Annona muricata como inibidores do crescimento micelial de fungos fitopatogênicos

Heloísa da Silva Bibiano, Mírian Lobo Sáber

Resumo


Produtos alternativos vêm sendo utilizados para manejo de fitopatógenos com extratos ou óleos essenciais. A utilização de óleos essenciais é promissora para o desenvolvimento de agentes antimicrobianos por oferecer propriedades antibacterianas e antifúngicas. O presente trabalho teve por objetivo avaliar os efeitos inibitórios in vitro do óleo essencial do capim-limão (Cymbopogon citratus) e do hidrolato de graviola (Annona muricata) sobre desenvolvimento de fungos fitopatogênicos. Os extratos vegetais foram extraídos pela técnica de arraste a vapor e testados nas concentrações de 0,05 %, 1 %, 5 %, 10 %, 15 %, 25 %, 35 %, 45 %, 50 % e 100 %. Os fitopatógenos utilizados foram Pestalotiopsis sp., Monilinia sp. e Rhizopus spp. Todos os micro-organismos foram obtidos da coleção de micro-organismos da Universidade do Vale do Sapucaí (Univás) em Pouso Alegre (MG). O óleo essencial do capim-limão inibiu o crescimento dos fungos testados nas concentrações de 50 % e 100 %. Houve inibição total do crescimento micelial de Pestalotiopsis sp. nas concentrações de 35 % a 100 %; nas concentrações abaixo de 25 %, houve inibição parcial. Com o fungo Rhizopus spp., houve crescimento parcial nas concentrações de 0,05 % a 45 %; nas concentrações de 50 % e 100 %, houve inibição total do crescimento fúngico. A Monilinia sp. obteve inibição total a partir da concentração de 35 %; abaixo da concentração de 25 %, o crescimento fúngico foi parcial. Com relação ao hidrolato da graviola (Annona muricata), os resultados indicam que não houve inibição no desenvolvimento micelial dos fungos testados, independentemente da concentração utilizada. Portanto o óleo essencial do capim-limão pode ser utilizado como alternativa ao controle desses patógenos.


Palavras-chave


Produtos alternativos. Óleo essencial. Antibiose.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v9n22017978

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.