Determinação de funções de produtividade de algodão e soja em cultivo sequeiro no extremo oeste da Bahia

Flávio Bittencourt, Everardo Chartuni Mantovani, Gilberto Chohaku Sediyama, Nerilson Terra Santos

Resumo


 

Um estudo de caso foi realizado em fazendas localizadas nos municípios de São Desidério e de Correntina, região oeste da Bahia, nas safras de algodão e soja de 2008/2009 e 2009/2010 com o objetivo de determinar funções de produção por meio de modelos de regressão linear múltipla. Como variável dependente adotou-se a produtividade e como variáveis independentes foram adotadas a data do plantio, a evapotranspiração de referência, a evapotranspiração da cultura e a disponibilidade real de água no solo em três profundidades (0 a 30, 30 a 60 e 60 a 90 cm). Nenhum modelo se ajustou aos dados de produtividade da safra do algodão de 2008/2009. Entretanto, na safra 2009/2010 a produtividade do algodão foi descrita por um modelo composto pelas variáveis data do plantio e precipitação efetiva. A produtividade da soja na safra 2008/2009 pode ser explicada por um modelo com as variáveis data do plantio e evapotranspiração da cultura, e na safra 2009/2010 com as variáveis data do plantio e disponibilidade real de água no solo na profundidade de 0 a 30 cm. Concluiu-se que as produtividades de algodão e soja não puderam ser modeladas por um modelo único de função de produção, que a data do plantio correlacionou negativamente em todas as culturas, exceto para o algodão na safra 2008/2009 e a interrelação entre as variáveis estudadas em cada período e cultura indica que a influência de determinado parâmetro na produtividade varia estatisticamente em cada situação.



Palavras-chave


Precipitação. Bahia. IRRIPLUS.

Texto completo:

PDF

Referências


AIBA. Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia. Anuário da Região Oeste da Bahia: Safra 2010/11. Bahia, 2011.

AIBA. Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia. Anuário da Região Oeste da Bahia: Safra 2010/12. Bahia, 2012.

AIBA. Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia. Anuário da Região Oeste da Bahia: Safra 2014/15. Bahia, 2015.

ARAÚJO, L. E.; SOUSA, F. A. S.; RIBEIRO, M. A. F. M.; SANTOS, A. S. S.; MEDEIROS, P. C. Análise estatística de chuvas intensas na bacia hidrográfica do rio Paraíba. Revista Brasileira de Meteorologia, São José dos Campos; SP, v.32, n.2, p.162-169, mar. 2008.

BACK, A. J.; DORFMAN, R. CLARKE, R. Avaliação de métodos para dimensionamento da irrigação suplementar em clima úmido. RBRH – Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v.26, n.4, p.33-49, out-dez. 1998.

BARBOSA, F. C.; TEIXEIRA, A. S.; GONDIM, R. S. Espacialização da evapotranspiração de referência e precipitação efetiva para estimativa das necessidades de irrigação na região do Baixo Jaguaribe – CE. Revista Ciência Agronômica, Ceará, v. 36, n.1, p.24-33, jan-abr. 2005.

BERNARDO, S.; SOARES, A. A.; MANTOVANI, E. C. Manual de Irrigação. 8. ed. Viçosa, MG: UFV-Imprensa Universitária, 2006. 625 p.

DEVORE, J. L. Probabilidade e Estatística para Engenharia e Ciências. 1. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2012. 692 p.

DOORENBOS, J. KASSAN, A. H. Efeito da água no rendimento das culturas. Campina Grande, PB: UFPB, 1994. 306 p. (Estudos FAO. Irrigação e Drenagem, 33).

FACCIOLI, G. G. Modelagem da uniformidade e da lâmina de irrigação na produtividade do feijoeiro. 192p. Tese (Doutorado em Engenharia Agrícola) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2002.

FOX, J.; WEISBERG, S. An R Companion to Applied Regression. Second. Thousand Oaks CA: Sage, 2011. Disponível em: .

FRIZZONE, J. A.; ANDRADE JÚNIOR, A. S. (Editores Técnicos). Planejamento de Irrigação: Análise de decisão de investimento. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2005. 626 p.

HAMAKAWA, P. J. Análises multivariadas e de séries temporais de elementos meteorológicos e de parâmetros fenológicos do cacaueiro (Teobroma cacao L.) sob diferentes estratégias de irrigação. 165 p. Tese (Doutorado em Engenharia Agrícola) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2002.

HEIBERGER, R. M. HH: Statistical Analysis and Data Display: Heiberger and Holland. Vienna, Austria, 2013. R package version 2.1-32. Disponível em: < http://cran.r-project.org/web/packages/HH/index.html>.

IRRIPLUS. 2008. Sistema para Manejo de Irrigação, Versão 2.8: UFV/GESAI/CIENTEC – Viçosa.

KELLER J. BLIESNER, R. D. Sprinkle and trickle irrigation. New York: Avibook, 1990. 649 p.

LEAL, B. G. Sistema computacional para avaliação e estimativa das produtividades potencial e real das culturas agrícolas. 96 p. Tese (Doutorado em Engenharia Agrícola) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2000.

LIGGES, U.; MÄCHLER, M. Scatterplot3d – an R packages for visualizing multivariate data. Journal of Statistical Software, v.8, n.11, p.1-20, 2003. Disponível em: .

MAÑAS, M. S. O.; VALERO, J. (Coordenadores). Agronomia Del Riego. Madri: Ediciones Mundi-Prensa, 1993. 732 p.

MANTOVANI, E. C.; BERNARDO, S. PALARETTI, L. F. Irrigação: princípios e métodos. 3. ed. Viçosa, MG: Editora UFV, 2009. 355 p.

MANTOVANI, E. C.; COSTA, L. C. Manejo integrado das culturas e dos recursos hídricos. Workshop internacional sobre manejo integrado das culturas e dos recursos hídricos. Brasília: SRH/MMA-DEA-UFV, 1998. 154 p.

MANTOVANI, E. C.; MOREIRA, H. M. Sistema Irriger de gerenciamento de irrigação. In: 2da REUNIÓN INTERNACIONAL DE RIEGO. Anais... Córdoba, AR, 2010. (E. E. A. Manfredi, 9 y 10 de Noviembre, 2010).

SANO, E. E.; SANTOS, C. C. M.; SILVA, E. M.: CHAVES, J. M. Fronteira agrícola do oeste baiano: considerações sobre os aspectos temporais e ambientais. Geociências, UNESP: São Paulo, v. 30, n. 3. p. 479–489, jan. 2011.

R CORE TEAM. R: A Language and Environment for Statistical Computing. Vienna, Austria, 2015. Disponível em: .

SAMPAIO, S. C.; CORRÊA, M. M.;VILLAS BÔAS, M. A.; OLIVEIRA, L. F. C. Estudo da precipitação efetiva para o município de Lavras, MG. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande: PB, v. 4, n.2, p. 210-213, 2000.

ZEILEIS, A.; HOTHORN, T. Diagnostic checking in regression relationships. R News, v.2, n.3, p.7-10, 2002. Disponível em: .




DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v10n120181089

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.