Potencial de utilização de resíduos da indústria papeleira como substratos para cultivo de Ganoderma lucidum (Reishi)

Débora Anzolin Valginhak, Herta Stutz Dalla Santa

Resumo


No Brasil, o Paraná é um dos estados que mais recebem destaque no setor de papel e celulose. A Ibema Cia Brasileira de Papel é a terceira maior fabricante de papelcartão do país, responsável pela geração de lucros e empregos, mas também de resíduos, como a varredura da área do pátio de madeira (VAR), a fibra da fábrica de pasta mecânica (FPM) e fibra da estação de tratamento de efluentes (ETE). O cultivo de cogumelos em resíduos da indústria há muito tempo é avaliado, visto que esses organismos apresentam propriedades biodegradadoras, alimentares e até medicinais. O objetivo deste trabalho foi caracterizar os resíduos da indústria papeleira e avaliar a aplicação destes e de suas misturas para a produção de cogumelos Ganoderma lucidum. A presença de elementos químicos foi determinada com uso de microscopia eletrônica de varredura acoplado a um detector de espectro de energia dispersiva. Após o preparo dos substratos em sacos plásticos, inoculação com grãos de trigo miceliados e incubação, foi avaliado o crescimento e vigor micelial, o surgimento de primórdios e basidiomas. Nenhum substrato apresentou elementos químicos prejudiciais ao ser humano. O resíduo FPM e o substrato padrão apresentaram crescimento micelial fortemente adensado, bem como a formação de primórdios e basidiomas aos 65 dias e 26 dias após a colonização dos substratos, respectivamente. O resíduo FPM serviu como substrato para o desenvolvimento de G. lucidum, de forma que seu uso na produção do cogumelo possibilita agregar valor a este resíduo e reduzir sua disposição no meio ambiente.


Palavras-chave


Microbiologia ambiental; papel e celulose; cogumelo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALANANBEH, K. M.; BOUGELLAH, N. A.; KAFF, N. S. Cultivation of oyster mushroom Pleorotus ostreatus on date-palm leaves mixed with other agro-wastes in Saudi Arabia. Said Journal of Biological Sciences, Riyadh, v. 21, p. 616-625, 2014.

ANÁLISE EDITORIAL. Os nove índices em 2011. São Paulo, 2012.

ASSOCIAÇÃO BAIANA DAS EMPRESAS DE BASE FLORESTAL. Bahia Florestal: Anuário Abaf 2013. Salvador: ABAF, 2013.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA TÉCNICA DE CELULOSE E PAPEL. Curso de pasta mecânica. Monte Alegre: ABTCP, 1995.

AZZOLINI, J. C.; FABRO, L. F. Controle da eficiência do sistema de tratamento de efluentes de uma indústria de celulose e papel da região meio oeste de Santa Catarina. Unoesc & Ciência – ACET, Joaçaba, v. 3, n. 1, p. 75-90, 2012.

BELLOTE, A. F. J.; SILVA, H. D.; FERREIRA, C. A.; ANDRADE, G. C. Resíduos da indústria de celulose em plantios florestais. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n. 37, p. 99-106, 1998.

BERNARDI, E.; MINOTTO, E.; NASCIMENTO, J. S. Aproveitamento do resíduo de curtume como suplemento no cultivo de Pleurotus ostreatus. Arq. Inst. Biol., São Paulo, v. 75, n. 2, p. 243-246, 2008.

BIAZUS, André; HORA, André Barros; LEITE, Bruno Gomes Pereira. O potencial de investimento nos setores florestal, de celulose e de papel. In: TORRES, E.; PUGA, F.; MEIRELLES, B. Perspectivas do investimento 2010-2013. Rio de Janeiro: BNDES, 2011. p. 108-143.

CLEMENTINO, L. S.; ROSADO, F. R. Cultivo submerso de Ganoderma lucidum (Curt. ex Fr.) Karst em diferentes meios de cultura. Revista em Agronegócios e Meio Ambiente, Maringá, v. 4, n. 1, p. 131-144, 2011.

COLAUTO, N. B.; EIRA A. F.; MINHONI, M. T. A. Fatores físicos que afetam a produtividade do cogumelo comestível Pleurotus sajor – caju (Fr.) Singer. Cientifica, v. 26, n. 1-2, p. 25-43, 1998.

COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. Ficha de informação toxicológica: Alumínio. São Paulo: CETESB, 2014.

DEDAVID, B. A.; GOMES, C. I.; MACHADO, G. Microscopia eletrônica de varredura: aplicações e preparação de amostras : materiais poliméricos, metálicos e semicondutores. São Paulo: EDIPUCRS, 2007.

FAN, L. Produção de exopolissacarideos de Agaricus blazei e teste antitumorais. Curitiba: UFPR, 2002.

FUNCHAL, M. Panorama Mundial do Setor de Celulose, Papel e Papelão. Painel Florestal, Botucatu, Abr. 2014. Disponível em: . Acesso em: 06 set. 2014.

GOMES-DA-COSTA, S. M.; COIMBRA, L. B.; SILVA, E. S. Crescimento micelial de dois isolados de Lentinula edodes (Berk.). Pegler em resíduos lignocelulóticos. Acta Scientiarum. Biological Sciences, Maringá, v. 30, n. 2, p. 192-196, 2008.

HSIEH, C.; HSU, T.; YANG, F. Production of polysaccharides of Ganoderma lucidum

(CCRC36021) by reusing thin stillage. Process Biochemistry, Hamburg, v. 40, n. 2, p.

-916, 2005.

IBEMA. Histórico e Dados Gerais da Empresa [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por em 28 ago. 2013.

KOSZTRZEPA, R. O. Evidenciação dos eventos relacionados com o meio ambiente: um estudo em indústrias químicas. São Leopoldo: Unisinos, 2004.

LÓPEZ, D. R. D. Obtención de cepas silvestres de Ganoderma lucidum y la caracterización de una para la cuantificación de exopolisacáridos en cultivo de células em suspension. Jalisco: UDG, 2012.

MACEDO, A. J. P.; KIRSCH, L. S.; PALHETA, R. A.; PUTZKE, J.; TEIXEIRA, M. F. S. Crescimento micelial de Ganoderma lucidum (Curt.: Fr.) P. Karst. em resíduos lignocelulósicos disponíveis na Amazônia. Caderno de Pesquisa, Série Biologia, Santa Cruz do Sul, v. 23, n. 3, p. 16-25, 2011.

MAIA, Arnaldo. Titânio. In: TUNES, M. R. Balanço Mineral Brasileiro. Brasília: DNPM, 2001.

MARTINS, T. A empresa que faz a diferença. Revista Pack, São Paulo, Nov. 2013. Disponível em: . Acesso em: 06 set. 2014.

MAZIERO, R.; BONONI, V. L.; CAPELARI, M. Cultivo e produtividade de Pleurotus ostreatus var. Florida em Mogi das Cruzes, Brasil. Hoehnea, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 1-7, 1990.

OLIVEIRA, P.; CALADO, M. L.; ROSADO, J. Etnomicologia: uma breve introdução. In: DIAS, A. S. (Ed.). Etnobotânica. Perspectivas, história e utilizações. Évora: Universidade de Évora, n. 4. 2003. p. 39-44.

PEDRA, W. N.; MARINO, R. H. Cultivo axênico de Pleurotus spp. em serragem da casca de coco (Cocos nucifera Linn.) suplementada com farelo de arroz e/ou de trigo. Arquivos do Instituto Biológico, São Paulo, v. 73, n. 2, p. 219-225, 2006.

PEIXOTO, E. M. A. Silício. Química nova na escola, São Paulo, Nov. 2001. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2014.

PICCININ, E. Cultura do cogumelo Shiitake (Lentinula edodes) em toras de eucalipto: teoria e prática. Piracicaba: ESALQ, 2000.

PINTO, T. P. Gestão ambiental de resíduos da construção civil: a experiência do Sinduscon-SP, São Paulo: Obra Limpa: I&T: Sinduscon-SP, 2005.

RAGUNATHAN, R.; GURUSAMY, R.; ALANISWAMY, M.; SWAMINATHAN, K. Cultivation of Pleurotus spp. on various agro-residues. Food Chemistry, Reading, v. 55, n. 1, p. 139- 144, 1996.

RAI, R. D. Cultivation of Reishi Mushroom (Ganoderma lucidum). Solan: NRCM, 2010.

SALES-CAMPOS, C.; ANDRADE, M. C. N. Aproveitamento de resíduos madeireiros para o cultivo do cogumelo comestível Lentinus strigosus de ocorrência na Amazônia. Acta Amazonica, Petrópolis, v. 41, n. 1, p. 1-8, 2011.

SANTOS, A. F. S.; DONADIA, J. T.; SANTOS, L. L. Ferro: Benefícios a saúde. In: MOSTRA ACADÊMICA UNIMEP, 8., 2010, Piracicaba. Anais da 8ª Mostra Acadêmica Unimep. Pirabicaba: UNIMEP, 2010.

SANTOS, F. S.; SANTOS, A. L. A.; SANTOS, M. G. L. Análise ambiental do setor de papel e celulose no Brasil a partir da matriz SWOT. In: SEMANA DO ECONOMISTA, 3., 2013, Ilhéus. Anais da III Semana do Economista. Ilhéus: UESC, 2013.

SEO, G.S.; KIRK, P.M. Ganoderma: nomenclature and classification. In: Ganoderma diseases of perennial crops. FLOOD, J.; BRIDGE, P.D.; HOLDERNESS, .M. Wallingford: CABI Publishing, 2000. 275 p.

SILVA, R. R.; COELHO, G. D. Fungos: principais grupos e aplicações biotécnológicas. São Paulo: IBt, 2006. 20p.

UNIVERSAL DE FERTIIZANTES S.A. Nutrientes: do que as plantas precisam?. Canoas: UNIFERTIL, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v10n320181146

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.