Qualidade e sustentabilidade: sistemas de certificação do café sob a ótica dos Pilares da Qualidade

Paulo Henrique Montagnana Vicente Leme, Cintia Loos Pinto

Resumo


Qualidade e sustentabilidade são conceitos complexos, mas cada vez mais importantes no contexto da produção de alimentos. Neste cenário, os sistemas de certificações assumem papel importante de coordenação das diversas cadeias. Este trabalho utiliza a metodologia de análise dos pilares da qualidade proposta por Leme (2007) para analisar quatro certificações ligadas ao café: o Programa de Qualidade do Café (PQC), a certificação do Café do Cerrado, a certificação Rainforest Alliance e a certificação Utz Certified. O objetivo é unir os conceitos de certificação e qualidade sob um referencial teórico único, analisando como estas certificações abordam a qualidade em suas normas e diretrizes. Para isto, os pontos principais de cada programa de certificação foram analisados e sistematizados segundo o modelo proposto. O modelo dos pilares da qualidade demonstrou-se muito útil para sistematizar e analisar os objetos de estudo no que se refere aos principais aspectos ligados à certificação e qualidade no agronegócio café. 


Palavras-chave


Certificação, Qualidade, Agronegócio, Café, Sustentabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


ABIC. Programa de Qualidade do café ABIC – Selo de qualidade Passo a Passo. 2010. Disponível em: http://www.abic.com.br. Acesso em 10 Out. 2010.

AZEVEDO, P. F. de. Economia dos Custos de Transação. In: Competitividade: mercado, estado e organizações. Capítulo 3. São Paulo: Editora singular, 1997.

BLISKA, F. M. M.; PEREIRA, S. P.; GIOMO, G. S. Do grão à xícara: como a escolha do consumidor afeta cafeicultores e meio ambiente. Campinas: Instituto Agronômico de Campinas, 2007. 59p.

COASE, R. H. The Nature of the Firm. Chicago: University Press, 1988. Cap.2 -The firm, the market and the law. Trabalho original publicado em 1937.

FARINA, M. M. Q. E. Regulamentação, Política Antitruste e Política Industrial. In: Competitividade: mercado, estado e organizações. Capítulo 4. São Paulo: Editora singular, 1997.

FARINA, M. M. Q. E. Organização Industrial no Agribusiness. In: Economia e gestão dos negócios agroalimentares. Capítulo 3. São Paulo. Pioneira, 2000.

FARINA, M. M. Q. E. Padronização em sistemas agroindustriais. In: Gestão da qualidade no agribusiness: estudos e casos/ Décio Zylbersztajn, Roberto Fava Scare (organizadores). São Paulo: Atlas, 2003.

FOSS, N.J., & KLEIN, P.G., (2010) Critiques of transaction cost economics. In Klein P.G. & Sykuta, M.E. (eds.) The Elgar Companion to Transaction Cost Economics. Cheltenham: Edward Elgar No prelo.

FURUBOTN, E. (2002), ‘Entrepreneurship, Transaction-Cost Economics, and the Design of Contracts,’ in The Economics of Contracts, Eric Brousseau and Jean-Michel Glachant (eds), Cambridge: Cambridge University Press.

RAS - REDE DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL. 2010. Disponível em: http://www.imaflora.org/index.php/certificado/agricola_ras. Acesso em 20 Nov. 2010.

LEME, P. H. M. V., MACHADO, R. T. M. Os Pilares da Qualidade: o processo de implementação do Programa de Qualidade do Café (PQC). Revista Organizações Rurais a Agroindustrias - ISSN 1517-3879. UFLA. Lavras – MG, 2010.

LIMA et al. Impacto da certificação da Rede de Agricultura Sustentável (RAS) em fazendas de café. Estudo de caso no Cerrado e no Sul de Minas Gerais - Brasil. / Imaflora - Piracicaba, SP: Imaflora, 2008.

MACHADO, R.T.M. Rastreabilidade, tecnologia da informação e coordenação de sistemas agroindustriais/ Rosa Teresa Moreira Machado; São Paulo, 2000. 224 p.: ilust. Tese (Doutorado).

MARIO, T.M. do C. Dinâmica comportamental dos consumidores de café: um fator gerador de ações mercadológicas. 2002. 152p. Dissertação (Mestrado em Organizações, Mudança Estratégica e Gestão)-Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG.

NASSAR, A. M. Certificação no Agribusiness. In: Gestão da qualidade no agribusiness: estudos e casos/ Décio Zylbersztajn, Roberto Fava Scare (organizadores). São Paulo: Atlas, 2003.

NORMAS PARA O USO DO SELO RAINFOREST ALLIANCE CERTIFIED. Rede de Agricultura Sustentável. Imaflora, 2007.

PALMIERI, Roberto Hoffmann. Impactos socioambientais da certificação Rainforest Alliance em fazendas produtoras de café no Brasil. Piracicaba : Ecologia de Agroecossistemas, Universidade de São Paulo, 2008. Dissertação de Mestrado em Ecologia de Agroecossistemas.

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO CAFÉ DO CERRADO - CÓDIGO DE CONDUTA DA PROPRIEDADE PRODUTORA. Disponível em: http://www.cafedocerrado.com.br/intranet/docs/Norma_Certificacao_Cafe_do_Cerrado_Protocolo_v13.0.pdf. Acesso em 07 Out. 2010.

REEVES, Carol A., BEDNAR, David A. Definig quality: alternatives and implications. Academy of Management Review, v. 19, n. 3, p. 419-445, 1994.

SAES, M. S. M. & Jayo, M . "Caccer: Coordenando ações para a valorização do café do cerrado”. VII Seminário Anual do PENSA, Águas de São Pedro, setembro de 1997.

SAES, M. S. M., FARINA, E. M. M. Q. Associação Brasileira da Indústria de Café – ABIC: Ações conjuntas e novos desafios frente a reestruturação de mercado. VIII SEMINÁRIO INTERNACIONAL PENSA DE AGRIBUSINESS 1998.

SLACK, Nigel et. al. Administração da produção. São Paulo: Atlas, 1996. Edição integral.

SOUZA, M.C.M. Produtos orgânicos. In: ______. Economia e gestão dos negócios agroalimentares. São Paulo: Pioneira, 2000. Cap.17.

TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução a pesquisa científica social: a pesquisa qualitativa em educação. O positivismo. A fenomenologia. o Marxismo. São Paulo: Atlas, 1987.

UTZ CERTIFIED – Código de conduta. Utz Certified, 2007. Disponível em: http://www.utzcertified.org/.

WILLIAMSON, O. Comparative economic organization: the analysis of discrete structural alternatives. Administrative Science Quartely. 36, June, p. 269-296, 1991.

WILLIAMSON, O. The economic institution of capitalism. New York: The Free Press, 1985.

ZYLBERSZTAJN, D. & Neves, M.F. (coordenadores), 2000 – Economia e Gestão dos Negócios Agroalimentares – Editora Pioneira, 367 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v10n420181159

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.