Production aspects of soybean cultivars in Machado region, south of Minas Gerais, Brazil

Pedro Antonio Pires Lins da Silva, Roberto de Farias Filho

Resumo


Due to its productive potential and importance in human and animal nutrition, soybeans occupy
a prominent position in Brazilian economy. Its cultivation in the south of Minas Gerais has been
increasing compared to other crops; however, availability of adapted cultivars still low. Therefore,
the present research was developed with the aim of evaluating different soybean cultivars productive
aspects in Machado region, Minas Gerais, in order to identify cultivars that can be recommended for
cultivation in this region. The experimental design consisted of randomized complete block design
with four replications and six soybean cultivar treatments (5D6215 IPRO, 5D634 RR, NS 7709
IPRO, NS 7300 IPRO, NS 7667 IPRO and NS 7200 RR). Seeding was conducted in the second week
of November/2015. It was verified that Machado region was suitable for soybean cultivation, since all
cultivars presented plant height and the first legume height of insertion was favorable to mechanized
harvest. Cultivars 5D634 RR, NS 7200 RR and NS 7709 IPRO obtained the best grain yield results
with 3.676,62, 3.612,45 and 3.377,90 kg ha⁻¹, respectively. Cultivars 5D6215 IPRO, 5D634
RR, NS 7709 IPRO and NS 7200 RR are within the acceptable levels of lodging for mechanized
harvesting. On the other hand, cultivars 5D6215 IPRO and NS 7200 RR demonstrate an emergency
speed higher than the other studied cultivars.


Keywords: Glycine max (L.) Merrill. Grains Yield. Adaptability.


Palavras-chave


Glycine max (L.) Merrill. Grains Yield. Adaptability.

Texto completo:

ENGLISH PORTUGUÊS

Referências


BATISTA, E.C.; PEREIRA, J.L.; SOUZA, L.T.; BRANDÃO, W.M.; SOUZA, T.T.; SOUZA, D.F.; SILVA, F.B. Caracterização agronômica de cultivares de soja para o Sul de Minas Gerais no Município de Inconfidentes. Resumo, 7ª Jornada Cientifica e Tecnológica do IFSULDEMINAS, Poços de Caldas, Minas Gerais. 2015.

BERNARD, R.L.; CHAMBERLAIN, D.W.; LAWRENCE, R.D. (Eds.). Result of the cooperative uniform soybeans tests. Washington: USDA, 1965. 134 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília, 2009. 399 p.

CARVALHO, E.R.; REZENDE, P.M.; OGOSHI, F.G.A.; BOTREL, E.P.; ALCANTARA, H.P.; SANTOS, J.P. Desempenho de cultivares de soja [Glycine max (L.) Merril] em cultivo verão no Sul de Minas Gerais, Ciênc. Agrotec., Lavras, v. 34, n. 4, p. 892-899, jul./ago., 2010.

CESA, COOPERATIVE EXTENSION SERVICE AMES. How a soybean plant develops. Ames: Iowa State University of Science and Technology, 1994. 20p.

CONAB, Companhia Nacional de Abastecimento, Acompanhamento de safra de grãos, SAFRA 2015/2016, n. 12, Setembro, 2016. Disponível em Acesso em: 10 de setembro de 2016.

CONAB, Companhia Nacional de Abastecimento, Series Históricas, 2016. Disponível em: Acesso em: 10 de setembro de 2016.

CORDEIRO JUNIOR, P.S.; FINOTO, E.L.; MARTINS, M.H.; SOUSA, J.B.L.; SOUSA NETO, J. Características agronômicas de cultivares de soja RR1 e RR2 cultivadas em argissolo sob sistema de plantio direto na reforma de cana crua. Resumo: X WORKSHOP AGROENERGIA MATÉRIAS-PRIMAS, Centro de Convenções da Cana, Ribeirão Preto, jun, 2016.

EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuaria, Tecnologias de produção de soja Região Central do Brasil 2011, [S.I.]; Embrapa Soja; Embrapa Cerrados; Embrapa Agropecuaria Oeste, p. 255, 2010.

FAOSAT, Food and Agriculture Organization of The United Nations Statistics Division, 2014. Disponível em: < http://faostat3.fao.org/browse/Q/QC/E> Acesso em: 2 de outubro de 2016.

FERREIRA, D.F. Sisvar 5.1 - Análises estatísticas por meio do Sisvar para Windows. Lavras, Universidade Federal de Lavras, 2007.

GUIMARÃES, F.S. Cultivares de soja [Glycine max (l.) Merrill] para cultivo de verão na região de Lavras-MG, Lavras, UFLA, p. 44, CDD-633.34, 2006.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination aid in selection and evaluation for seedling and vigour, Crop Science, Madison, v. 2, n. 2, p. 176-177, 1962.

MARCOS FILHO, J. Produção de sementes de soja. Campinas: Fundação Cargill, 1986. p.86.

OLIVEIRA, A.M. da S. de. Estabilidade fenotípica de 28 cultivares de soja em solos de cerrado do Brasil Central. 2002. 90p. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia e Melhoramento vegetal), Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2002.

PERINI, L.J.; FONSECA JÚNIOR, N.S.; DESTRO, D.; PRETE, C.E.C. Componentes da produção em cultivares de soja com crescimento determinado e indeterminado, Semana: Ciências Agrárias, Londrina, v. 33, suplemento 1, p. 2531-2544, 2012.

REZENDE, P.M.; CARVALHO, E.A. Avaliação de cultivares de soja [glycine max (L.) Merrill] para o Sul de Minas Gerais, Ciênc. agrotec., Lavras, v. 31, n. 6, p. 1616-1623, nov./dez., 2007.

RIBEIRO, A.C.; GUIMARÃES, P.T.G.; VICENTE, V.H.A. Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais: 5a aproximação, Lavras, UFLA, p.359. 1999.

SEDIYAMA, C. S.; VIEIRA, C.; SEDIYAMA, T.; CARDOSO, A. A.; ESTEVÃO, H. H. Influência do retardamento da colheita sobre a deiscência das vagens e sobre a qualidade e poder germinativo das sementes de soja. Experientiae, Viçosa, v. 14, n. 5, p. 117-141, set. 1972.

SEDIYAMA, T.; SILVA, F.; BORÉM, A. Soja: do plantio à colheita. Viçosa, Ed. UFV, 2015

SEDIYAMA, T.; TEIXEIRA, R.C.T.; BARROS, H.B. Cultivares. In: SEDIYAMA, T. (Ed.). Tecnologias de produção e usos da soja. Londrina, PR, Mecenas, p.77-91, 2009.

USDA, United States Department of Agriculture, Foreign Agricultural Service, Table 07: Soybeans: World Supply and Distribution, 2016. Disponível em Acesso em: 10 de setembro de 2016.

VANZOLINI, S.; CARVALHO, N.M. Efeito do vigor de sementes de soja sobre seu desempenho em campo. Revista Brasileira de Sementes, vol. 24, nº 1, p.33-41, 2002

VERNETTI JUNIOR, F. J.; FRAGA, M. S.; NUNES, T. L. Avaliação de cultivares de soja do grupo de maturidade seis tolerantes ao Glifosato da rede soja sul de pesquisa na Embrapa clima temperado. In: REUNIÃO DE PESQUISA DE SOJA DA REGIAO SUL, 38., 2010, Cruz Alta, RS. Resumo. Cruz Alta: Fundação Centro de Experimentação e Pesquisa, 2010, p. 41-44.




DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v11n220191285

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Pedro Antonio Pires Lins da Silva

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.