Quality control of commercial samples of “arnica” (Arnica montana and Solidago chilensis) from Rio de Janeiro, Brazil

Pedro Nogueira Araújo, André Luis Alcantara Guimarães, Mirian Ribeiro Leite Moura, Ana Cláudia de Macêdo Vieira

Resumo


Arnica montana is a medicinal plant native to Europe and used topically to treat contusions, inflammations, and muscular aches. Studies have confirmed the anti-inflammatory activity of extracts of this plant, which can be attributed to the presence of lactones. Its use in Brazil has traditionally been substituted by the species Solidago chilensis, which demonstrates similar therapeutic activity but is more adapted to a tropical climate. It is known that S. chilensis can be used as a substitute for A. montana as they both contain similar active compounds. We acquired eight different commercial brands of “arnica” sold in Rio de Janeiro State, Brazil, in 2013. The analyses of these products were divided into four categories: labeling, macroscopic, microscopic, and microchemical analysis. Labeling analysis followed RDCs (“Resolução de Diretoria Colegiada”) standards (10/2010 through 26/2014). The morphological analyses were performed using microscopic techniques and were followed by microchemical analyses. Our results indicated that none of the samples were in complete conformity with labeling standards, the material was poorly conserved, contaminants were abundantly present, the species were incorrectly identified, and the directions of use were inadequate and potentially dangerous to human health.

 


Palavras-chave


Plant anatomy. Chemical markers. Medicinal plants. Traditional phytotherapeutic products. Quality markers.

Texto completo:

ENGLISH (English)

Referências


AMARAL, F. M. M. et al. Avaliação da qualidade de drogas vegetais comercializadas em São Luís/Maranhão. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 13, n. 1, p. 27-30, 2003.

BRAZIL. Lei 9677 de 02/07/1998. Altera dispositivos do Capítulo III do Título VIII do Código Penal, incluindo na classificação dos delitos considerados hediondos crimes contra a saúde pública, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 03 jul. 1998. Seção 1, p 1.

BRAZIL. ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 10, de 9 de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 10 mar. 2010. Seção 1, p. 52.

BRAZIL. ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 26, de 13 de maio de 2014a. Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos e o registro e a notificação de produtos tradicionais fitoterápicos. Diário Oficial da União, Brasília, 14 mai. 2014. Seção 1, p. 52.

BRAZIL. ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Instrução Normativa n° 02 de 13 de maio de 2014b. Publica a “Lista de medicamentos fitoterápicos de registro simplificado” e a “Lista de produtos tradicionais fitoterápicos de registro simplificado”. Diário Oficial da União, Brasília, 14 mai. 2014. n. 90, Seção 1, p. 58.

BRAZIL. ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Farmacopeia Brasileira, Brasília; volume 2: 6ª Ed. 2019.

BRAZIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 2.960, de 9 de dezembro de 2008. Aprova o Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e cria o Comitê Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos [Internet]. [cited 2016 16 mar] Available in: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/pri2960_09_12_2008.html. 2008

BRAZIL. Ministério da Saúde. Relação de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS [Internet]. [cited 2016 16 mar] Available in: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/sus/pdf/marco/ms_relacao_plantas_medicinais_sus_0603.pdf. 2009.

BRAZIL. MDIC. Portaria Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008. Regulamento técnico metrológico a que se refere a portaria INMETRO nº 248 de 17 de julho de 2008.

COSTA, R. P. C.; GUIMARÃES, A. L. A.; VIEIRA, A. C. M. Avaliação da Qualidade de Amostras de Plantas Medicinais Comercializadas no Brasil. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v. 35, n. 3, p. 425-433, 2015.

LYSS, G. et al. Helenalin, an anti-inflammatory sesquiterpene lactone from Arnica, selectively inhibits transcription factor NF-kappa B. Bollettino chimico farmaceutico, v. 378, n. 9, p. 951-961, 1997.

MATOS, F. J. A. Introdução à Fitoquímica Experimental. Ed. UFC, Fortaleza, CE; 2ª Ed: 141 pp., 1997.

MOREL, A. F. et al. Antimicrobial activity of extractives of Solidago microglossa. Fitoterapia, v. 77, n. 6, p. 453–455, 2006.

NEWALL, C. A.; ANDERSON, L. A.; PHILIPSON, J. D. Plantas medicinais: guia para profissional de saúde. São Paulo. Premier: 40-41, 2002

OLIVEIRA, F.; AKISUE, G; AKISUE, M. K. Farmacognosia. Rio de Janeiro: Atheneu. 2003.

PAES-LEME, A. C. V. A Importância da Microscopia no Controle de Qualidade de Drogas de Origem Vegetal, 2008. 40 f. [Monography (Especialização em Tecnologia Industrial Farmacêutica), Faculdade de Farmácia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ]

PANIZZA, S; GROTTA, A. S. Contribuição ao estudo morfológico e anatômico de Solidago chilensis DC. Compositae. Revista da Faculdade de Farmácia e Bioquímica da Universidade de São Paulo, v. 3, p. 27-50, 1965.

THE PLANT LIST. Version 1.1. Solidago microglossa DC. [Internet]. [cited 2016 16 mar] Available in: http://www.theplantlist.org/tpl1.1/record/gcc-116108. 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Quality control methods for medicinal plant materials. Geneva, 1998. 123p.

WOERDENBAG, H. J. et al. Cytotoxicity of flavonoids and sesquiterpene lactones from Arnica species against the GLC4 and the COLO 320 cell lines. Planta Medica, v. 60, n. 5, p. 434-437, 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v13n120211561

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Pedro Nogueira Araújo, André Luis de Alcantara Guimarães, Mirian Ribeiro Leite Moura, Ana Cláudia de Macêdo Vieira


Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.