Estimativa de estádios ninfais do psilídeo-de-concha em função dos tamanhos das conchas

Aline Stivanelli, Maria Conceição Peres Young Pessoa, Luiz Alexandre Nogueira de Sá, Jodir Pereira da Silva

Resumo


O psilídeo-de-concha, Glycaspis brimblecombei, é considerado praga quarentenária de elevada
importância econômica para o setor florestal no Brasil pela preferência a Eucaliptus camaldulensis
– espécie mais plantada no país. A insuficiência de métodos químicos, aceitáveis pelas empresas
certificadas internacionalmente, para o controle da praga vem tornando a estratégia de controle
biológico pelo parasitóide Psyllaephagus bliteus a opção mais apropriada no momento. Por esta razão, a
disponibilidade de métodos que ajudem a detectar fases de desenvolvimento da praga mais apropriadas
ao parasitismo é de grande importância tanto para a identificação precisa do seu ciclo de vida quanto
à proposição de estratégias de seu controle biológico. O objetivo deste trabalho foi identificar faixas
de tamanhos de concha de G. brimblecombei, de modo a utilizá-las como padrão de referencia para
um método inédito de estimativas de estádios ninfais de desenvolvimento da praga em função do
seu respectivo tamanho de concha amostrado. Essas faixas (ou classes de tamanhos) foram obtidas
através de minucioso trabalho entomológico realizado em laboratório, onde os diâmetros das conchas
e seus respectivos insetos foram medidos com auxílio de lupa e avaliados quanto aos estádios de
desenvolvimento. Posteriormente, foram realizadas análises estatísticas e de tendências. As seguintes
classes de tamanhos de concha foram determinadas como resultado: Ninfa 1 – de 0,7 mm a 0,9 mm;
Ninfa 2 – de 0,8mm a 1,1 mm; Ninfa 3 – de 1,1 mm a 1,7 mm; Ninfa 4 – de 1,6 mm a 2,2 mm;e Ninfa
5 – de 2,2 mm a 2,8 mm.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v1n32009214

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.