Potencial do uso do lodo de esgoto como adubo orgânico em cobertura de espécies florestais nativas plantadas em área degradada por pastagem

Breno Viana Nascimento Silva, Lilian Vilela Andrade Pinto

Resumo


O presente estudo teve como objetivo avaliar o efeito da aplicação do lodo de esgoto em cobertura
no desenvolvimento silvicultural de nove espécies arbóreas nativas plantadas em área degradada por
pastoreio intensivo. Para isso foram avaliados três tratamentos de adubação em cobertura: adubação
orgânica com lodo de esgoto, adubação química com adubo (NPK 20-05-20) e testemunha (sem
adubação). As espécies foram plantadas em dezembro de 2005 e as adubações em cobertura iniciouse em agosto de 2008. A resposta aos tratamentos foi avaliada pelo monitoramento dos parâmetros
silviculturais diâmetro a altura do solo (DAS), altura (H) e diâmetro de Copa (DC) até março de 2009,
totalizando cinco medições. O desenvolvimento do diâmetro a altura do solo apresentou diferença
estatística entre os tratamentos com adubação de cobertura (NPK; lodo) e a testemunha apenas na
espécie açoita cavalo (Luehea divaricata). Para as demais espécies, araucária (Araucaria angustifólia),
cássia carnaval (Senna spectabilis), cedro (Cedrela fissilis), feijão cru (Lonchocarpus muehlbergianus),
mochoqueiro (Erythrina falcata), peroba (Aspidosperma polyneuron), pimentinha 62 (Erythroxylum
deciduum) e taiuveira (Maclura tinctoria) não foi verificado efeito das adubações nos parâmetros
silviculturais avaliados. O lodo de esgoto não inibiu o desenvolvimento dos parâmetros silviculturais
(DAS, H e DC) em nenhuma das espécies estudas. Assim, a utilização de lodo de esgoto como adubo
orgânico pode ser utilizado como alternativa viável de fonte de matéria orgânica e nutriente, promovendo
desenvolvimento satisfatório das espécies arbóreas e um menor gasto em adubações.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v2n12010251

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental


Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.