Emergência e desenvolvimento de espécies nativas em área degradada por disposição de resíduos sólidos urbanos

Luana Auxiliadora de Resende, Lilian Vilela Andrade Pinto

Resumo


O crescimento acelerado da população juntamente com o atual padrão de vida vivenciados nas últimas décadas vêm trazendo diversos impactos ambientais e sociais. Na maioria dos municípios a disposição de resíduos sólidos urbanos (RSU) é descartada em áreas sem prévio tratamento ou fiscalização adequada, que quando são desativadas encontram-se degradadas e necessitam da elaboração de um plano de recuperação e revegetação, além do monitoramento, ao longo dos anos, para avaliar o desenvolvimento das espécies implantadas. Todavia estes problemas podem ser minimizados, principalmente se houver a recuperação do local atingido. Sendo assim, o presente estudo visou avaliar a emergência das espécies arbóreas semeadas na cova e em sulco aos 90 dias, e o desenvolvimento das plântulas emergidas aos 210 e 300 dias, podendo assim avaliar as espécies que melhor se adaptam à condição da área do lixão de Inconfidentes-MG. O experimento foi instalado no delineamento estatístico inteiramente casualizado com 3 tratamentos de semeadura direta,  com 15 espécies arbóreas nativas e três repetições (T1: semeadura direta de espécies nativas em cova; T2: semeadura direta de espécies nativas em sulco através de muvuca; T3: semeadura direta de espécies nativas associadas com feijão-guandu em sulco através de muvuca). O modelo de plantio que tem a associação de sementes de espécies arbóreas com feijão-guandu em sulco (T3) é o método mais indicado para a recuperação de áreas de lixões. As espécies arbóreas que se destacaram quanto à emergência e estabelecimento foram Schizolobium parahyba (guapuruvu) e Eritrina speciosa (molungu).

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v5n12013438

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.