Efeito de agrotóxicos usados na cultura do morangueiro sobre o predador Phytoseiulus macropilis (Banks) em laboratório, semicampo e campo no sul de Minas Gerais

Rafaela Costa, Luiz Carlos Dias Rocha, Juliano Antonio de Freitas, Giovani Márcio Coura Júnior, Oliveiros Miranda dos Santos, Éder Oliveira do Couto

Resumo


A cultura do morangueiro apresenta grande importância para a agricultura familiar no sul de Minas Gerais devido ao elevado valor agregado e à distribuição de recursos. O ácaro-rajado (Tetranychus urticae Koch), principal praga desta cultura, é o principal dentre os artrópodes-praga do morangueiro. O método químico tem sido o mais adotado no controle dessa praga, mas esse método contribui para a seleção de indivíduos resistentes, contaminação de frutos e do ambiente, e ainda causa danos à saúde dos agricultores. Phytoseiulus macropilis (Banks) é um eficiente predador no controle de T. urticae e tem-se mostrado uma importante ferramenta para o manejo desta praga. No presente estudo objetivou-se avaliar o efeito de alguns produtos fitossanitários utilizados na cultura do morangueiro em sistemas de produção integrada (PIMo) sobre o predador P. macropilis, em condições de laboratório, semi-campo e campo. O bioensaio foi conduzido no Laboratório de Entomologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais (IFSULDEMINAS), campus Inconfidentes. Os produtos testados, em g de i.a. L-1 de água foram: abamectina (0,072), fempiroximato (0,007) fempropatrina (0,195), propargito (0,195), imibenconazole (0,030), azoxistrobina (0,080), iprodiona (0,750) e água como testemunha. As caldas dos produtos foram aplicadas diretamente sobre os predadores por meio de pulverizadores manuais calibrados, para avaliar a mortalidade dos indivíduos. Abamectina e fempiroximato foram considerados nocivos ao predador P. macropilis. O composto Fempropatrina foi considerado como moderadamente nocivo, iprodiona foi considerado como levemente nocivo. Como produtos inócuos selecionaram-se compostos imibenconazole, azoxistrobina, propargito. Os compostos considerados seletivos ou inócuos podem ser recomendados no manejo integrado de pragas, associados com o predador P. macropilis. Em termos de semi-campo, todos os produtos testados para P. macropilis foram considerados seletivos. Desta forma, os testes em condições de campo foram dispensados.
Palavras-chave: Seletividade. Predador. Phytoseiulus macropilis. Produção integrada de morangueiro. Controle biológico.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v4n32012474

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.