Reação de resistência ao míldio e seleção de genótipos nacionais resistentes em população F2 de alface americana

Julio César de Araújo, Luiz Antonio Augusto Gomes, Cibele Vilela Andrade Fiorini, Thiago de Oliveira Dutra

Resumo


A alface (Lactuca sativa L.) é a hortaliça folhosa mais difundida mundialmente e a mais cultivada no Brasil. Neste trabalho objetivou-se confirmar o modo de herança da reação resistência ao míldio (B. lactucae), isolado MGLA-01, a partir de cruzamentos entre materiais contrastantes para este caráter e seleção de genótipos resistentes e mais adaptados às condições edafoclimáticas do sul de Minas Gerais. Cruzaram-se dois genitores contrastantes, a linhagem AFL-008, resistente a B. lactucae e a cultivar suscetível Salinas 88, ambas do tipo americana. O ensaio foi conduzido em câmara de germinação tipo BOD e em casa de vegetação. Quinze dias após a semeadura foi feita a inoculação nos genitores masculino e feminino, na geração F1, na população F2 e em testemunha resistente, utilizando-se como inóculo os esporângios lavados de tecidos infectados na concentração de 1x105 esporângios.mL-1. A avaliação para resistência ao míldio foi realizada 15 dias após a inoculação. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente ao acaso, com três repetições. A variável resposta foi o número de plantas sadias. Para o estudo de herança, foi feito o teste de significância qui-quadrado na população F2. No controle genético da resistência a Bremia lactucae Regel, agente etiológico do míldio da alface, o gene apresenta interação alélica de dominância, com dominância do alelo que confere resistência ao míldio.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v6n22014542

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.