Fertirrigação com vinhaça concentrada no desenvolvimento da alface

Alexandre Barcellos Dalri, Oscar Ferreira Carvalho Neto, Fábio Mazzonetto, Renato Zapparoli Corbani

Resumo


A grande vantagem no emprego da vinhaça concentrada é que ela pode substituir em grande parte os nutrientes da adubação mineral. O uso agrícola da vinhaça concentrada como biofertilizante e os seus benefícios ao solo e às plantas são indiscutíveis. O objetivo desse estudo foi estudar o efeito do uso de vinhaça concentrada, denominada de biofertilizante, em combinação com fertilizantes comerciais, aplicados via fertirrigação, nos componentes de produção da cultura da alface. O experimento foi instalado em ambiente protegido localizado na região centro-norte do Estado de SP. A cultivar utilizada foi a Verônica, o delineamento foi inteiramente casualizado e os tratamentos foram doses de vinhaça concentrada que variaram de 50% a 250% da referência da adubação convencional de potássio. As variáveis analisadas da alface foram: massa fresca total (MFT) massa fresca comercial (MFC), diâmetro do caule (DC), comprimento do caule (CC) e número de folhas (NF). O uso da vinhaça concentrada como biofertilizante líquido proporciona aumento significativo nas principais características morfológicas da alface, resultando em plantas maiores, com maior número de folhas e maior massa fresca. Esse biofertilizante mostra-se realmente eficaz no aumento da produtividade da cultura da alface. Para as condições em que este trabalho foi realizado, pode-se concluir que a aplicação, via fertirrigação, de 2,97 m3 ha-1 de vinhaça concentrada e enriquecida com nitrogênio atende a adubação da cultura da alface.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v6n22014559

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.