Uso da ictiofauna e outras fontes de proteína pelos moradores de comunidades tradicionais da região amazônica

Lenizi Maria Silva Araújo, Carlos Edwar de Carvalho Freitas

Resumo


Na região Amazônica, a ocupação das áreas de várzea é baseada em estratégias de uso múltiplo dos ambientes, com atividades como extrativismo florestal, pecuária de pequena escala, agricultura, caça e pesca. Este processo é resultante da ênfase, dada pelas comunidades tradicionais,
habitantes da várzea, à predominância de estratégias de sobrevivência em resposta a mudanças
nas oportunidades apresentadas na economia regional. Este estudo tem como objetivo avaliar os
padrões de uso dos recursos animais acessíveis às comunidades Nossa Senhora Perpétuo Socorro
e Nossa Senhora Aparecida. Para este estudo, os dados de espécies foram coletados, em viagens
mensais de julho a dezembro de 2006, nos períodos de vazante e seca, nas duas comunidades situadas na localidade Cajazeira, lago São Lourenço, à margem direita do rio Solimões. As informações
foram obtidas por meio de formulários aplicados em entrevistas diárias. Os dados foram analisados
para o total e por comunidade. Neste trabalho foram comparadas suas estratégias de subsistência
em relação à pesca e o consumo de diferentes fontes de proteína. Os comunitários utilizam respectivamente, 32 espécies de peixes, 3 de caça e 3 de criação. Nessas comunidades o peixe corresponde
a 92% da fonte de proteína animal consumida, fato que pode estar associado à proximidade da
comunidade aos ambientes de pesca. As espécies mais utilizadas de pescado nas comunidades são:
carás (Cichlidae) com 16%, tambaqui (Serrasalmidae) com cerca de 10%, tucunarés (Cichlidae) e
aracus (Anostomidae) com 8% cada, pescada (Sciaenidae) com 5%, seguida pelo grupo das piranhas (Serrasalmidae), branquinhas (Curimatidae), jaraquis (Prochilodontidae), surubim (Pimelodidae) e outros. Em complementação a dieta com o pescado são utilizadas outras fontes de proteína,
como a carne bovina (44%) e o frango (40%). Quanto à caça, pode ser observado que esta atividade
é pouco praticada, contribuindo para o consumo local com apenas 9%, sendo identificados animais
com a capivara, paca e tatu. Os animais de caça são na verdade utilizados apenas pela comunidade
Nossa Senhora Aparecida. Os valores mostram que as comunidades tradicionais utilizadas neste
estudo dependem dos recursos pesqueiros para sua subsistência.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v1n2200970

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.