Dinâmica populacional de plantas daninhas em cultivares de alface produzidas no verão em Seropédica - RJ

Antônio de Amorim Brandão, Eduardo Castro Ribeiro, Cibelle Vilela Andrade Fiorini, Aroldo Ferreira Lopes Machado, Higino Marcos Lopes

Resumo


Diferenças na arquitetura em espécies de alface cultivadas podem levar a alterações nas populações de plantas daninhas no período de cultivo. Dessa forma, objetivou-se neste trabalho avaliar efeitos de cultivares de alface na supressão de plantas daninhas. Foram avaliadas 12 cultivares de alface dispostas no delineamento em blocos ao acaso, com três repetições. As parcelas constituíram-se de 12 plantas distribuídas em quatro linhas espaçadas em 0,30 m. As cultivares avaliadas foram: do grupo lisa (Regina 2.000, Regina 500, Regina 3.500, Maravilha de Inverno, Boston Branca, Rainha de Maio); do grupo crespa (Grand Rapids, Hanson, Camila, Banchu Red Fire) e do grupo americana (Grandes Lagos, Delícia). A população de plantas daninhas foi avaliada aos 15 e 29 dias após o transplantio das cultivares. As plantas daninhas foram coletadas em um quadrado de 0,25 m de lado, lançadas ao acaso nas parcelas. Todas as plantas do interior do quadrado foram coletadas e identificadas, e o número de espécies e de indivíduos por espécie foi quantificado. Em seguida, esse material foi seco em estufa de circulação forçada a 65ºC por 72 horas, até atingir massa constante. Determinou-se a frequência (F); densidade (D); dominância (DO); frequência relativa (FR); densidade relativa (DR); dominância relativa (DOR) e índice de valor de importância (IVI). As três principais plantas daninhas, com relação ao (IVI), identificadas nas duas coletas, foram a Cyperus esculentus L., Commelina benghalensis L. e Panicum maximum Jacq. As cultivares do grupo lisa Regina 500, Regina 2.000, Regina 3.500 e Rainha de Maio provocaram maior supressão de todas as espécies de plantas daninhas na segunda avaliação.


Palavras-chave


Lactuca sativa; HORTALIÇAS; MATO COMPETIÇÃO.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v8n12016782

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.