Utilização de “pé-de-cuba” oriundo da fabricação de cachaça artesanal na alimentação de frangos criados no sistema caipira em Salinas/MG

Wesley Antunes Meireles, Adelvânia Moreira da Silva, Jânio Ferreira, Geisiane Dionízio Ferreira, Cristiano Marcos de Pinho

Resumo


Um experimento utilizando 111 pintos, machos e fêmeas, de 14 a 44 dias de idade, sem
raça definida foi conduzido com o objetivo de estudar o efeito da substituição de parte de milho
pelo pé-de-cuba oriundo da fabricação artesanal de cachaça. As aves foram pesadas e distribuídas
aleatoriamente em quatro lotes: Lote de pintinhos com peso inicial maior que 1 kg de peso vivo
que consumiram ração tipo A; Lote de pintinhos com peso inicial menor que 1 kg de peso vivo que
consumiram ração tipo A, sendo os animais identificados através de uma anilha de fio de cobre em
uma das pernas; Lote de pintinhos com peso inicial maior que 1 kg de peso vivo que consumiram
ração tipo B; e finalmente, Lote de pintinhos com peso inicial menor que 1 kg de peso vivo que
consumiram ração tipo B, sendo os animais identificados através de uma anilha de fio de cobre
em uma das pernas. A ração do tipo A foi empregado milho e concentrado protéico comercial, enquanto a ração do tipo B foi empregado milho, concentrado protéico e pé-de-cuba, sendo os dois
tipos consideradas isoprotéicas e isocalóricas. Não foi verificada diferença significativa entre os
tratamentos para as variáveis ganho de peso, hematócrito, número de hemácias, concentração de
hemoglobina, contagem global de leucócitos e trombócitos. Entretanto, na contagem diferencial de
leucócitos, houve uma menor relação heterófilo/linfócito no sangue dos animais que consumiram a
ração do tipo B, indicando menor condição de estresse nestes animais. Neste estudo, a substituição
de parte de milho pelo pé-de-cuba, reduziu o preço por quilograma da ração em 23,21%, representando um subproduto de interesse para o pequeno produtor de cachaça na produção de aves no
sistema caipira.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v1n2200980

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental


Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.