Caracterização de águas residuárias de suinocultura provenientes de dois sistemas de tratamento

Tatiane Cristina Dal Bosco, Natássia Jersak Cosmann, Mariana Sbizzaro, Ivan Taiatele Junior, Jaqueline dos Santos Silva

Resumo


As águas residuárias de suinocultura apresentam características físico-químicas que variam de acordo com o sistema de higienização das baias, estádio de desenvolvimento dos animais, alimentação, condições climáticas, genética, entre outros fatores. No Brasil, o tratamento dessas águas residuárias, com elevada carga poluente, ocorre, geralmente, em esterqueiras e biodigestores. Na maioria das propriedades rurais, o destino final dos efluentes tratados é o solo. Pratica-se, portanto, o reúso de água na agricultura, que pode interferir na dinâmica de diversos poluentes no solo, como é o caso dos pesticidas. As águas residuárias apresentam-se na forma total e dissolvida, sendo esta a fração mais investigada atualmente na dinâmica desses poluentes. Neste sentido, objetivou-se utilizar a técnica de espectroscopia na região do infravermelho médio com transformada de Fourier na caracterização da matéria orgânica total e dissolvida proveniente de águas residuárias de suinocultura tratadas em biodigestor e esterqueira. Nos resultados, não foi possível observar diferenças na composição das águas residuárias pela espectroscopia infravermelha com transformada de Fourier. Entretanto, pode-se identificar a presença de materiais ainda pouco degradados e a ocorrência de grupos funcionais nitrogenados, que apontam para a liberação do nitrogênio no solo quando degradados, evidenciando o potencial de reúso dessas águas residuárias na agricultura como forma de fertirrigação.

Palavras-chave: Infravermelho. Esterqueira. Biodigestor. Efluentes.


Palavras-chave


Infravermelho; Esterqueira; Biodigestor; Efluentes.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v8n32016864

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.