Os custos públicos da coleta de resíduos sólidos na cidade de Juiz de Fora

Antônio Carlos Sales de Oliveira, Fabiano Rodrigues Carvalho, Renne José Pereira da Silva, Maury Luna Vieira, Rogerson Antonio Sandes, Lindomar José da Silva Loures

Resumo


No planejamento urbano, o gerenciamento de resíduos sólidos é uma questão relevante.  O estudo teve como objetivo apresentar um comparativo de gastos da coleta de resíduos sólidos na cidade de Juiz de Fora durante os anos de 2006/2012, utilizando-se de métodos matemáticos e estatísticos. A aprovação da Política Nacional de Resíduos Sólidos no Brasil, provavelmente conduzirá a um esforço para o desenvolvimento de práticas que possam solucionar ou minimizar problemas sociais e ambientais. A falta de estrutura e planejamento para lidar com resíduos sólidos representam um grande problema, talvez o principal passivo ambiental brasileiro. Neste contexto, a educação tem um papel de extrema importância, sendo a família os primeiros a educarem suas crianças, a escola como formadora de opiniões e o Estado em suas competências administrativas. Muito além da simples quantificação dos resíduos sólidos produzidos, da população residente no município e dos custos, o presente trabalho visa compreender melhor a dinâmica entre a produção e os gastos, tendo como subsídio o número de habitantes de Juiz de Fora (MG). Os dados utilizados constam no Anuário Estatístico de Juiz de Fora, ano de 2012. Foi possível notar que a população não apresentou um crescimento notório, contudo os gastos com a destinação final dos resíduos aumentaram de maneira significativa.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v7n12015647

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.