Produção de cenoura em função de doses de potássio e manejos de irrigação

Messias Morais Ferreira, César Antônio da Silva, Sebastião Geraldo Lopes, Fernando Antônio da Silva Lopes, Luís Léssi dos Reis, Pedro Martins Sousa

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar a produção de cenoura, cultivar Brasília, em função de doses de adubação potássica e manejos de irrigação. O experimento foi conduzido num Argissolo Vermelho Amarelo, textura média, em Confresa/MT, no período de julho a outubro de 2014. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, com quatro repetições no esquema de parcelas subdivididas 2 x 6, sendo dois manejos de irrigação por microaspersão (uma vez por dia, de manhã; duas vezes por dia, manhã e tarde) e seis doses de potássio (0, 25, 50, 75, 100 e 125 kg ha-1), distribuídas em duas partes iguais, aos 20 e 40 dias após a semeadura. A colheita foi feita aos 86 dias após a semeadura. Foram avaliados o número de folhas por planta; a altura da planta (cm); o diâmetro de raízes (cm); o comprimento de raízes (cm); as massas de matéria seca de raízes, da parte aérea e total (g planta-1); a produtividade total (t ha-1); a relação das massas de raízes e da parte aérea (g kg-1) e o teor de K foliar (g kg-1). Houve efeito significativo dos manejos de irrigação (I) e das doses de potássio (K) apenas no teor de K nas folhas e interação de I x K sobre o número de folhas.

Palavras-chave: Daucus carota L. Cloreto de potássio. Manejo.


Palavras-chave


Daucus carota L.. Cloreto de potássio. Manejo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v8n22016806

Apontamentos





Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.