Viabilidade e interações do plantio consorciado de pinhão-manso e girassol

Ricardo Coeli Simões Coelho, Lee Tseng Sheng Gerald

Resumo


Com o recente advento do biodiesel no Brasil, houve um aumento significativo no número de pesquisas com as oleaginosas potenciais como matéria-prima, destacando-se o Pinhão-Manso (Jatropha curcas L.), tanto devido às excelentes características técnicas do óleo, bem como à rusticidade e produtividade da planta. Contudo, como a produção econômica do pinhão-manso inicia-se a partir do terceiro ano, há necessidade de estudar o plantio em sistema de consórcio. O objetivo deste trabalho foi avaliar as interações e a viabilidade técnica e econômica do consórcio de pinhão-manso e girassol (Helianthus annuus L.). Também foi objeto de estudo a produtividade da cultura do girassol e o desenvolvimento das plantas de pinhão-manso sob a influência de sua semeadura nos lados oeste e leste das filas de cultivo. Possíveis efeitos alelopáticos entre as culturas foram avaliados. O projeto foi implantado no campus da UFSCar, em Araras, São Paulo. As mudas de pinhão-manso foram plantadas em maio de 1998, no espaçamento de 2 metros entre as plantas e de 4 metros entre as linhas de plantio. A semeadura do girassol, variedade Iarama, foi realizada em novembro de 2008, com quatro linhas de plantio, espaçadas em cinquenta centímetros, estimando-se 50.000 plantas por hectare. Adotou-se o delineamento de parcelas subdivididas, com quatro repetições e quatro combinações de consórcios, sendo, T1: plantio de girassol em ambos os lados da linha de plantio de pinhão-manso; T2: plantio de girassol a oeste da linha de pinhão-manso, o lado leste foi reservado para germinação de plantas espontâneas; T3: plantio de girassol a leste da linha de pinhão-manso, o lado oeste foi reservado para germinação de plantas espontâneas; T4: ambos os lados da linha de pinhão manso foram reservados para a germinação de plantas espontâneas. Foi concluído que não houve influência no desenvolvimento do pinhão-manso em plantio consorciado com girassol e que a produção do girassol também não foi influenciada pelo pinhão-manso. Observou-se também uma inibição de plantas espontâneas nas áreas com girassol. A alternativa deste consórcio demonstra ser uma boa opção para o programa nacional de biodiesel.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v5n22013463

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.