Estudo do potencial de Jatropha curcas L. (Euphorbiaceae) sobre o manejo da cochonilha da roseta

Anderson Mathias Holtz, Thais Coffler, Jessica Mayara Coffler Botti, Mayara Loss Franzin, Hágabo Honorato de Paulo, Johnathan Jair de Paula Marchiori

Resumo


O alto custo socioeconômico e ambiental dos agroquímicos proporcionou a busca de alternativas eficientes e ecologicamente compatíveis no controle de pragas. O emprego de produtos derivados de plantas torna-se uma alternativa promissora. Devido à utilização indiscriminada de produtos não registrados para o controle de Planococcus citri, objetivou-se avaliar no presente trabalho o potencial de uso de Jatropha curcas. Foram utilizados indivíduos com 10, 15, 20 e 25 dias de idade. As concentrações usadas no experimento foram 0,0; 0,5; 1,0; 1,5; 2,0; 2,5 e 3,0 %. Na aplicação direta, empregaram-se discos de folhas de café (4 cm de diâmetro) inoculados com cochonilhas e pulverizados com auxílio de torre de Potter. Na aplicação indireta, esses foram imersos durante 5 segundos nas soluções e, em seguida, inoculadas as cochonilhas. Foram realizadas 6 repetições por concentração. Na aplicação direta não houve interação entre os fatores idade do inseto, extratos das estruturas da planta e concentrações. A maior mortalidade ocorreu com indivíduos de 10 dias de idade, em óleo de pinhão manso. Na aplicação indireta, houve interação entre os fatores idade do inseto, extratos das estruturas e concentrações. Na concentração de 0,5 %, idade de 10 dias, as maiores mortalidades foram para o óleo, extratos de casca do caule e de raiz. Resultados semelhantes foram observados nas outras concentrações, principalmente no óleo e casca do caule. Conclui-se que estruturas e óleo de pinhão manso são eficientes no manejo da cochonilha da roseta.

Palavras-chave: Controle alternativo. Planococcus citri. Jatropha curcas.


Palavras-chave


Controle alternativo, Planococcus citri, Jatropha curcas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18406/2316-1817v8n32016840

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Agrogeoambiental

Rev. Agrogeoambiental, Pouso Alegre, MG, Brasil. e-ISSN: 2316-1817

Licença Creative Commons

A Revista Agrogeoambiental está licenciada por uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.